publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 12 Março , 2015, 22:27

O “VIII Encontro da Malta” já mexe. Somam-se, dia a dia, as inscrições e, nas conversas entre alguns de nós, lá se relembram episódios do passado, nos cenários de Vila Cova. A propósito, republico uma historieta que retrata o nosso então  espírito juvenil, ainda o ano sessenta não se inscrevia no calendário. Hoje, cabelos grisalhos, mais de meio século passado, o afago dessas recordações e um sorriso onde ainda ecoam as gargalhadas daqueles tempos.

 

«Eram pequenos calhaus espalmados, com uma espessura de milímetros e diâmetro do tamanho da palma da mão. No Salgueiral havia-os e era com estes seixos que nos entregávamos à disputa, aproveitando as condições que o leito do rio, a montante do caneiro, nos oferecia.

As águas corriam serenas, quase paradas, uma piscina acolhedora dos banhos de Verão. Mas, a disputa nada tinha a ver com esses banhos.

Rapazolas que então éramos, entregávamo-nos ao entretenimento com jogos, variados jogos, fosse com uma bola de coiro, um baralho de cartas, fosse o da “verdade ou consequência”, fosse com um simples seixo.

-“Quem ganhar é o maior garanhão deste mundo, quem perder é o maior paneleiro!...”

-“Eh pá, porra! Se ganhar tanto melhor, paneleiro é que não!”

E lá nos entregávamos à jogatana, com as melhores das artes e saber. O seixo era atirado em voo quase rasante ao leito do rio, e ia dando pulos e mais pulos a cada toque nas águas. Ganhava o que mais saltos conseguisse e perdia o que, de saltos, menos contabilizasse.

Mas, eram tudo troféus de momentos. Instantes depois já ninguém se lembrava dos “rótulos” da refrega.

Como recordamos esses tempos e jogos… Eu, o meu irmão Quim, o Zé Alves, o Toneca, o meu primo Jorge Augusto, os irmãos Eduardo e Abílio Pinto, o Zé António Sequeira, o Fernando Vicente, o Antero, o Tó Cruz, o Alberto, o meu primo Manuel António e outros mais.

Lembram-se dos rótulos que nós próprios criávamos e a que nos sujeitávamos? Rótulos sem consequências e, muito menos, verdade, claro.

Porque, amigos, a verdade e consequência estão inteirinhas nas nossas recordações, na saudade e amizade…»

 

Nuno Espinal


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

17
21

25

30


pesquisar neste blog