publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 02 Novembro , 2010, 09:50

Com o adensar da noite, o cemitério ganhou uma auréola avermelhada, tão típica deste momento do ano. Centenas e centenas de velas, colocadas, quase sempre, simetricamente, em ritual que, por razões das contingências do feriado, teve o seu expoente máximo na véspera do dia próprio. Flores de matizes várias, rosas, flores silvestres e muitas outras, algumas plásticas.

 

“Isto está cada vez mais folclorizado”, dizia alguém. “Os mortos deviam ser invocados, principalmente, através da oração, ou através de momentos de reflexão e saudade. Campas, há, que têm quarenta e mais velas. Folclore, folclore…”

 

A luminosidade ainda permanecerá esta noite, cada vez mais ténue e, porque não chove, outra noite mais, talvez. Até ao último pedaço de cera.

 

Enfim, com ou sem críticas, é a tradição, com cambiantes dos tempos, a já fazerem alguma diferença.

 

E para o ano há mais…  

 

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Dezembro 2019
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar neste blog