publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 21 Abril , 2014, 21:17

 

 

Ontem, domingo de Páscoa em Vila Cova, nos desenvolvimentos da Missa e Procissão, houve momentos que verdadeiramente tipificaram “tempos de hoje”, na conceção da imagem de uma adequada e renovada da Igreja. Os momentos foram protagonizados pelo Padre Rodolfo Leite, como principal interlocutor de um diálogo, que só na aparência se definiria como monólogo.

Passemos à concretização:

Em plena homilia, uma criança furta-se à guarda da mãe (o Guilherme) e não se inibe de uma correria no sobrado central da Igreja. Há quem intente um gesto de cobro à situação, quando o Padre Rodolfo logo intervém e diz: “Deixem-no estar! Tomem é atenção ao que eu digo. Sabem? As crianças reagem por mimetismo.

Alguns talvez não tenham entendido a expressão e terão surdamente equacionado: Mimetismo? Mas que é isso?

Padre Rodolfo percebendo-o, explica: “As crianças tendem a imitar os adultos, tomam os adultos como modelos. Se os adultos se comportam com gestos apalhaçados, amacacados, as crianças imitam-nos e fazem os mesmos gestos. Se os adultos demonstram uma atitude serena as crianças acabam por se induzir nessa atitude”. 

E o garoto lá permanece numa ou outra correria, sem que perturbe o recato que a liturgia reclama.

Ainda no contexto da homilia, o Padre Rodolfo fala em minimalismo. De novo a perceção de alguma ignorância sobre a palavra. E a explicação vem logo a seguir: “Dou-vos um exemplo”, diz. “Minimalismo é assim como querer trabalhar pouco e querer ganhar muito”.

Estes flashes de discurso são elucidativos de uma atitude. É evidente que não retrato aqui aquilo que na pregação do Padre Rodolfo será a essência da religião. Mas falo apenas de um modo. O modo de uma prática que revela uma atitude. Atitude que cativa, que atrai. Decerto que, por isso, as manifestações religiosas em Vila Cova, nestes dias de Páscoa, tiveram a adesão de tantos populares.

Mas a atitude, no Padre Rodolfo, não é só a palavra, é também o gesto. Já terminada a Missa e quando se apronta a formatura da Procissão, o Padre Rodolfo toma a criança (o Guilherme) ao colo e quando nesse mesmo instante o enquadro na objetiva da câmara fotográfica, diz-me de imediato: Diga-me lá se não estou tal e qual o Santo António!

Os que o ouviram, garanto-vos, não evitaram o sorriso.

Já depois, no perímetro do Adro, o andor da Senhora da Alegria cumpria uma volta de trajeto. E raios me partam se não é que me pareceu que Nossa Senhora se sorria também?

 

Nuno Espinal


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Abril 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

16

25

28
29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds