publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 18 Julho , 2017, 07:22

7085279_UZpzD.jpg

 

Gente e cântaros, em número incomum nos fontanários, era, há já muitos anos, corrente nos meses de Verão. 

A rede pública de abastecimento de água ao domicílio não existia e era dos fontanários que a população se abastecia para prover as necessidades caseiras.

Em determinadas horas do dia (e da noite) a procura superava em muito a oferta e este facto determinava tempos de espera infindos até que chegasse a vez de os vasilhames abrirem as goelas à mingua de água que caía.

A “vez” adquiria-se de acordo com regras dos usos e costumes. Mas, havia os abusos de quem utilizava expedientes típicos de “aos costumes nada dizer”.  E, claro, lá vinham as gritarias, insultos e desavenças.

Hoje, ao ver a imagem da fonte de Santa Teresa, nesta foto publicada, sinto alguma saudade, ou melhor, alguma nostalgia.

Mas, que não restem dúvidas: bendigo, como todos bendizemos, a água ao domicílio.

Só que a imagem me associa a cenas de um grande pulsar de gente e de vida nas ruas de Vila Cova nesses tempos. Mesmo com os tais desacatos, inconsequentes desacatos.

Tanta coisa que mudou. E nos os tempos de hoje é o que se vê: as ruas sem gente, sem vida, um vazio.

Tão triste…  

 

Nuno Espinal


comentários recentes
Parabéns à Flor do Alva pelo centenário que acaba ...
Visão esclarecida e preocupada de um preclaro cida...
parabéns Dª Lucília silva tudo de bom
também para si um bom ano novo senhor Nuno Espinal...
Obrigado, um bom ano também para si, Um grande abr...
Partilho, caro Espinal. Um bom ano, amigo
Na minha aldeia - Torroselo -, o leilão de oferend...
Parabéns! Bjs
os meus sentimentos a família
É COM SINCERA TRISTEZA E DESOLAÇÃO QUE VEJO, TAMBÉ...
Julho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
15

16
17
19
20
21

23
24
28



pesquisar neste blog