publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 12 Junho , 2017, 14:25

IMG_0941.JPG

Eu sei que Lisboa está na moda. Ainda bem que está e digo-o por muitas razões entre as quais a do incontestável e superior pendor turístico e, em consequência (realce-se o importante e prático efeito económico), ser um íman de estrangeiros, fonte de receitas para o país.

Mas, para muitos residentes na nossa capital, o fenómeno terá um efeito metaforizado na velha expressão do “reverso da medalha”.  De facto, há dias, comentava-me um amigo, lisboeta por residência e coração, que há zonas da cidade que se lhe tornaram um autêntico pesadelo. Referia-se à Baixa e envolventes, “um verdadeiro sufoco na circulação e estacionamento de carros” e “onde quase não sobra um palmo para um qualquer transeunte”.

Depois há o Porto com a velha e estúpida relação de ódio com Lisboa. Ciosos e invejosos do êxito da capital, reclamam reconhecimentos adquiridos internacionalmente, considerando-se uma cidade modelar em beleza e mundanismo.

Eu, sinceramente, não sou fã da cidade. Em dias de pouco ou nenhum sol, acho-a mesmo cinzenta e triste. E, tal como em Lisboa, a circulação e estacionamento automóvel é de todo irritante, desconfortável mesmo.

E pronto! Riscadas do mapa, para mim, as duas cidades, eis-me nas margens do rio dos meus desejos e preferências. E nas margens, direita e esquerda, donde se soergue a minha cidade de sempre: Coimbra.

E deixo-a nas palavras de uma amiga, palavras que retirei de uma das redes sociais. Eis o que disse Adelaide Oliveira Alves num “post” publicado a 11 de junho:

“Estou a pensar que ontem a esta hora estava a assistir a um concerto  de piano e guitarra portuguesa na Quinta de S. Jerónimo, num programa de Música no Jardim que se vem realizando semanalmente. E um jardim muito bem cuidado com um anfiteatro onde numa deslumbrante paisagem se desenrolam os espetáculos. Ontem foi uma noite deslumbrante, vale a pena conhecer, tudo foi perfeito desde a sonoridade dos instrumentos aos excelentes músicos, ao efeito das luzes de palco, nem sequer faltou o luar para colmatar a magia daquele jardim paradisíaco. Realmente Coimbra é mesmo terra de encanto!”

E, nem de propósito, o Anfiteatro da Quinta de S. Jerónimo recebe no próximo sábado, dia 17, um agrupamento musical, com sonoridades jazzísticas, onde sobressai, na bateria, Afonso Madeira, visitante regular da nossa Vila Cova e neto da minha amiga Isabel Neves Madeira.  

Um espetáculo a não perder, que , por certo, será um reforço ao sentimento de que “Coimbra é mesmo terra de encanto!”

 

Nuno Espinal

 


Lilinha a 12 de Junho de 2017 às 19:42
Dia7tb meu choral poliphónico de coimbra atuará nesse mesmo local e dia9julho tb,nosso choral atua na igreja sta cruz com o coro do. Louvre-Paris.estão convidados.dalila trindade da costa pina

comentários recentes
Parabéns à Flor do Alva pelo centenário que acaba ...
Visão esclarecida e preocupada de um preclaro cida...
parabéns Dª Lucília silva tudo de bom
também para si um bom ano novo senhor Nuno Espinal...
Obrigado, um bom ano também para si, Um grande abr...
Partilho, caro Espinal. Um bom ano, amigo
Na minha aldeia - Torroselo -, o leilão de oferend...
Parabéns! Bjs
os meus sentimentos a família
É COM SINCERA TRISTEZA E DESOLAÇÃO QUE VEJO, TAMBÉ...
Junho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
17

18
21
22

25
27
28
29


pesquisar neste blog