publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 24 Abril , 2019, 19:35

029.JPG

Liberdade

 

 

Quando as folhas dançam e esvoaçam

E com elas danço e esvoaço

Suspensos do bracejar do vento

Que arrasta um tempo de quimera.

 

Então, a sós com a Natureza,

Em tons de primavera,

Perscruto-lhe o sentir.

E uma voz solene, que logo se esfuma,

Diz-me, em pulsar breve,

No exíguo clarear de súbita bruma:

Que estou no absoluto da liberdade.

 

Mas, refaz-se a realidade:

E logo me asseguram

Liberdade? Tem limites!

Coisa outra nem pode o fado ser.

E do deve e do haver,

Ouço dizer:

A minha liberdade termina quando a dos outros começa…

Que assim seja!

Liberdade sempre!

Em cravo de abril que viceja.

 

 

 

Nuno Espinal, Coimbra, 24 de abril de 2019

 


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Abril 2019
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

14
18

23
26
27

28
29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds