publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 29 Agosto , 2014, 15:14

 

 

Em defesa dos direitos de autor, ainda que de total ineficácia quanto a proventos materiais, aqui vai uma referência, mais que justa.

Mas, passemos, sem delongas, à narrativa que sustenta esta prosa.

Já lá vão uns cinco ou mais anos, ainda o troço da estrada que se inicia em Vila Cova em direção a Coja, não tinha iluminação, os passeios de verão que se faziam até ao sítio das alminhas, ou entroncamento da portela, eram feitos em total escuridão, salvo nas noites em que a lua era pródiga em dádivas luminárias.

Ir ao sítio das alminhas mereceria, então, por razões óbvias, de uma petiza, de ainda menos de seis anos, uma curiosa expressão: “ir ao escuro”.

A nossa petiza é a Leonor Leal. A graça desta denominação ficou para sempre, foi por todos adotada, ainda que alguns desconheçam a origem. E ainda que hoje aquele sítio já tenha iluminação em fartura, nenhum de nós se refere ao local que não o denomine de “escuro”.

E vai ser assim para sempre, presumo. Parabéns pois Leonor. Um beijinho de todos nós.

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Agosto 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13

17
19
20
22

25

31


pesquisar neste blog