publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 29 Dezembro , 2015, 01:49

IMG_0612 (1).JPG

 

Aos poucos, as placas toponímicas cobrirão todas as vias públicas de Vila Cova e as casas estarão todas numeradas. Os grandes beneficiados serão os carteiros que ficarão dispensados do ciclópico trabalho de decorar os nomes dos residentes da vila e associá-los, sem qualquer referência a nomes de ruas, aos respetivos locais onde habitam.

Curioso é que o nome administrativo de algumas ruas não seja reconhecido pela população. E, assim, o povo mantém nomes antigos, caso, entre outros, da Rua Direita, do Largo do Adro, da Rua do Outeiro e da Rua do Vale da Fonte. Esta, por exemplo, passou a chamar-se Rua da Casa do Povo, o que parece de todo ilógico.

Mas, a verdade é que em Assembleia de Freguesia os nomes foram propostos e votados. A questão é que a populaça, nestas coisas, desliga-se do poder autárquico e administrativo, impõe a sua vontade e nada há fazer. Como diz a velha palavra de ordem “o povo é quem mais ordena” e pronto!

De resto, esta determinação popular é global, mesmo nos aglomerados populacionais de grande dimensão. Veja-se o caso do Largo D. Pedro IV em Lisboa, que é para todos o “Rossio”, ou da nova Ponte de Coimbra que a edilidade posteriormente decidiu chamar de Ponte Rainha Santa Isabel, mas que muitos conimbricenses teimam em chamá-la pelo nome inicialmente escolhido, ou seja “Ponte Europa”.

E, já agora, retornando a Lisboa: Terreiro do Paço ou Praça do Comércio? Ora, sumariando registos históricos, eis a explicação:

No século XVI, o nosso rei D. Manuel transferiu a sua residência real para o palácio existente na zona a qual veio, por isso mesmo, a chamar-se “Terreiro do Paço”. Mais tarde, destruído o Palácio Real pelo terramoto de 1755, o Terreiro do Paço tornou-se no elemento fundamental do plano de ordenamento urbano do Marquês de Pombal, reconstruindo o local em privilégio da classe comercial, financeira e burguesa da cidade e, por essa razão, atribuindo-lhe o nome de “Praça do Comércio”.

Ora, passados mais de dois séculos e meio, muitos são os lisboetas que, insistentemente, continuam a chamar, à bela Praça de Lisboa, “Terreiro do Paço”.

Repito, nada a fazer. Nestas coisas da toponímia a vontade do povo parce ser soberana.

 

Nuno Espinal


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

14
18

21
23
25

27
28


pesquisar neste blog