publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 05 Março , 2015, 14:29

276735_Papel-de-Parede-Mulher-em-Um-Mar-de-Agua-Cr

 

Solitário

Fui ilha e ermo de longínquos horizontes,

Livres de muros 

Em espaços puros.

 

Rendido à fantasia

Pairei em brisa do acaso, aroma de maresia.

E no meu sonho bailaste,

Suaves embalos em mar quase chão

E velas serenas de caravelas a rumar

Em ventos de paixão

 

Fui, na ebriedade,

Distante aos clamores da cidade

 

Lá fora diziam: - É carnaval

Supérflua imaginação!

 

Antes o fantástico do meu Sonho

 

E no meu sonho bailaste em mar de coloridas serpentinas

O teu corpo em requebros

E movimentos libidos de sereias bailarinas.

 

Nuno Espinal  (Coimbra, Fevereiro, 2015)


Joaquim Eduardo Espiñal a 5 de Março de 2015 às 23:07
Um poema muito profundo. Os sentidos apuram-se na recriação das imagens e no sonho "bailam" as memórias que nos dão conforto. Lindo. Muito lindo.

comentários recentes
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Caro Sr. Avelar: obrigado pelo seu comentário. Apr...
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Demasiado jovem para partir.Que descanse em paz.
Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

17
21

25

30


pesquisar neste blog