publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 29 Abril , 2010, 12:53

Terminamos hoje o dossier “Concerto da Primavera da Flor do Alva”. E fazemo-lo com a referência aos apresentadores que durante todo o concerto nos foram dando as informações imprescindíveis para uma melhor situação de tudo o que se ia passando. A apresentação inicial foi feita pelo conhecidíssimo locutor do Rádio Clube de Arganil, Sr. José Conde, que introduziu dois debutantes nestas lides, o casal Dr. Miguel e Drª Tânia Fonseca. Uma presença simpática e um desempenho à altura.

Referência ainda à presença, como convidados, do Sr. Vice Presidente da Câmara, Dr. Avelino Pedroso, dos Srs. Luís Filipe e Eng. Pinheiro e do Sr. Rogério Leal, Presidente da Direcção da IPSS do Barril de Alva.

Esteve também presente a Presidente da Junta de Freguesia, Drª Cidalina Lourenço, que numa intervenção espontânea fez referências muito elogiosas à “Flor do Alva”.

 

Uma última palavra de parabéns à Direcção da Flor do Alva, com destaque para a pessoa do seu Presidente, Sr. José Raimundo. Todo o trabalho que têm desenvolvido, desde o renascimento, praticamente das cinzas, há cerca de seis anos, até hoje, tem sido notável.

 

Nuno Espinal

 

 

 

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 27 Abril , 2010, 19:17

 

Maestro António Simões

 

 

 

 

 

 

Nuno Alexandre e José Augusto

 

A surpreendente constatação que se retira do concerto de Domingo é que a Flor do Alva, para além do salto qualitativo na sua capacidade musical, está neste momento recheada de jovens que, com um apreciável domínio dos instrumentos, se aventuram em “solos” e o fazem irrepreensivelmente.

Foi isso que provaram alguns dos jovens, formados na escola da Flor do Alva, como o Nuno Alexandre em trombone, a Daniela em trompete, a Liliana Vanessa em flauta, a Dora Cristina em clarinete e a Rute Andreia em Sax-Alto. Mas, há a ainda a destacar o José Augusto Fernandes, em tuba, que integrou o Quinteto de Metais.

Outros jovens, vindos de outras escolas, foram figuras de destaque neste Concerto da Primavera da Flor do Alva como Maria Fernanda, Sérgio Simões e Fernando Fonseca em trompete, Joana Nogueira em acordeão, Sérgio Pinto, Inês Pinto e Márcia Silva em clarinete e Eng. Nuno Pinto em flautim.

O concerto relevou ainda algumas figuras para além das já referidas, como o já imprescindível Sr. Artur Fonseca que, após um solo no seu Sax Tenor, foi homenageado pela direcção da Flor do Alva, com a oferta de uma lembrança e o reconhecimento do seu empenhamento para com a Filarmónica, com uma grande salva de palmas, de toda a assistência presente no Salão da Casa do Povo.

Mas o grande triunfador da noite, também ele obsequiado com uma lembrança pela Direcção, seria justamente o maestro António Simões, a quem se deve grande parte do êxito deste concerto da Flor do Alva. Saber, entrega, liderança e um lidar humanista com os músicos são qualidades que o definem e a justificação do actual êxito da Flor do Alva.

Obviamente, nesta tarde de triunfadores, a Direcção no seu todo é merecedora, também, dos maiores elogios, com um especial destaque para o seu Presidente, que de forma sábia e empreendedora tem conseguido elevar a Flor do Alva a cotações impensáveis, quando, há uns anos atrás, muitos vaticinavam a sua extinção.

 

Nuno Espinal

    

 

 

 Eng. Nuno Pinto (flautim)

 

 

Joana Nogueira e Liliana

 

 

Rute Andreia

 

 

Sérgio Pinto, Inês Pinto, Dora Cristina e Márcia Silva

 

 

Artur Fonseca

 

 

Quinteto de Metais: Outro dos triunfos da tarde

 

 

A Santa Casa patrocinou as t-shirt do Coro Infantil

 

Próximo:Outros apontamentos


publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 26 Abril , 2010, 16:28

Criaram-se expectativas, esperava-se uma “Flor do Alva” melhor. Mas ao nível do que foi apresentado, isso nem na cabeça do mais optimista estaria imaginado.

De facto, o concerto que a “Flor do Alva” ofereceu na Casa do Povo atingiu um patamar qualitativo muitos degraus acima do que, mesmo no seu melhor, se lhe conhecia.

Pode mesmo dizer-se que o que aconteceu na Casa do Povo revela uma Filarmónica, nas várias componentes em que se desdobrou, como a melhor de sempre e, incomparavelmente, a mais habilitada ao espectáculo. De facto, surpreendente. Uma Flor do Alva que deve orgulhar os vilacovenses.

Mas, vamos por partes.

Primeiro, a actuação do Coro Infantil. Momento enternecedor, vozes afinadas, pífaros em acerto total, um leque diversificado de melodias, algumas do cancioneiro russo, de grande beleza e interpretadas eximiamente. Estão na forja futuros músicos da Flor do Alva? É provável que sim. Mas o mais importante é realçar o valor pedagógico e formativo que esta acção da Flor do Alva representa, única na região e que permite às crianças acesso a um meio essencial na sua educação. Daí que venha este reparo. Que se passa com as crianças da freguesia? É que no “Coro Infantil” a grande maioria é provinda de Vila Pouca da Beira. De Vila Cova, Vinhó e Casal de S. João muito pouca adesão. Uma situação incompreensível, em que cabem responsabilidades aos pais.

Segundo momento da tarde: O “Quinteto de Metais”. Com poucos ensaios, os músicos que o compõem mostraram grandes potencialidades, uma cumplicidade que salta à vista, e um grande prazer no trabalho que fazem. Cativaram a assistência, o que ainda mais os realça, tanto mais que a sua sonoridade não é a normal para os ouvidos deste público. A seu tempo iremos desenvolver um apontamento mais detalhado sobre o grupo.

Por fim a “Flor do Alva”. Que soberba interpretação! Que diferença!  Pontuação alta para esta actuação, sem dúvida que aplaudível mesmo para ouvidos já com outra exigência. A “banda” a funcionar como um todo, os diferentes naipes a sustentarem-se em apoio a solistas e ao colectivo orquestral. Há destaques a referir, em especial o grande obreiro desta “revolução”, o Maestro António Simões. Mas, para estes triunfadores e outros protagonismos da tarde iremos reservar um próximo apontamento. Fica para já esta grande evidência. O grande espectáculo que a Flor do Alva nos proporcionou. Em grande! Os nossos efusivos Parabéns!

 

Nuno Espinal

 

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 25 Abril , 2010, 22:21
 

Foi linda a Festa. Uma festa com triunfadores, com protagonismos, há que dizê-lo. Mas a seu tempo disso falaremos. Por agora, e porque hoje se comemora um dia que é especial, consagro o colectivo.

Porque o "25 de Abril" foi, nos seus tempos em que tanto pulsava, uma festa de todos. Por isso, senti que que esse mesmo "25 de Abril" se festejou também, hoje aqui, em Vila Cova, na Casa que se chama do Povo. Não que o propósito tenha sido esse. Mas, para mim, que então, na minha insignificância e modéstia, também ajudei a construir, com tantos e tantos portugueses, o "25 de Abril", senti hoje, nesta tão simples festa, esse espírito de crença, que me fazia acreditar que tanta coisa era possível.

Hoje tornei a acreditar e muito. Afinal, numa tão pequenina aldeia houve e há construção, constrói-se o futuro, faz-se cultura.

Parabéns “Flor do Alva”.

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 21 Abril , 2010, 11:21

 

15h00 - Actuação do Coro Infantil da Filarmónica Flor do Alva

15h30 - Actuação do Quinteto de metais da Filarmónica Flor do Alva

16h00 - Concerto da Filarmónica Flor do Alva

 

PROGRAMA

 

1. Santiago de Silvalde – Valdemar Sequeira

2. Storie Di Tutti Giorni – Arr: André Waignein

3. Abba Gold – Arr: Ron Sebregts

Solista: Maria Fernanda e Daniela

4. Bourrée – Por: Afonso Alves

Solista: Liliana Vanessa (Flauta) e Joana (Acordeão)

5. Clarinando – Richard Comello

Solista: Dora Cristina, Sérgio Pinto, Inês Pinto, Márcia Silva (Clarinetes)

6. The Cream Of Clapton – Arr: Ron Sebregts

Solista: Nuno Alexandre (Trombone)

7. Santana – Arr: Giancarlo Gazzani

Solista: Rute Andreia (Sax-Alto)

8. Retalhos do Minho – Por: Valdemar Sequeira

Solistas: Fernando Fonseca e Sérgio Simões (Trompete), Artur Fonseca (Sax-Tenor)

9. Cheerio March – Johnnie Vinson

10. Mocidade Junqueirense – Por: Carlos Marques

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 21 Abril , 2010, 10:54

 

   

BIOGRAFIA DO DIRECTOR ARTISTICO

(Conforme Programa)

 

António José Rodrigues Simões iniciou os seus estudos musicais aos nove anos de idade na Banda de Seia, colectividade da sua terra natal.

Durante 25 anos foi executante na Banda de Seia, sendo trompete solista nos últimos 10 anos de actividade, para além de se ter aperfeiçoado noutros instrumentos como autodidacta.

Foi chefe e um dos fundadores da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Seia.

Em 1997 Frequentou o Curso Nacional de Regentes do Inatel (Oeiras); tendo tido como professores: Alberto Roque, José Manuel Ferreira Brito, Paulo Lameiro, Domingos

Caeiro e Tristão Nogueira.

Em 2001 fez uma reciclagem do curso regional de Regentes de Bandas Filarmónicas do Inatel.

Em 2002 dirigiu um concerto em Salamanca, então Capital Europeia da Cultura, em representação de Portugal. Teve ainda aperfeiçoamento de técnica de direcção de Bandas sobe orientação do Professor e Maestro José Manuel Nogueira.

Durante 10 anos desempenhou as funções de Director artístico e de monitor na Escola de Música, na área dos metais e Maestro auxiliar da Banda de Seia até Outubro 2005.

Em Setembro de 2006 é convidado para Director Artístico titular da Filarmónica 1º Janeiro de Carragozela, onde permaneceu até Setembro 2009.

Foi fundador do Coro Infantil da Filarmónica 1º de Janeiro designado pelo nome de (Guto).

Em 2007 inicia o Curso na Escola de Música Sacra no Seminário da Guarda nas áreas Formação Musical, Praxis da Música Sacra, Prática de teclado e ainda Direcção de Coro.

Em Maio 2009 participou num Workshop de Direcção de Orquestra de Sopros com oDr. Leon J. Bly que dirige a Stuttgard Music School Symphonic Youth Wind Orquestra.

Em Outubro de 2009 é convidado para Director Artístico da Filarmónica Flor do Alva

onde actualmente exerce a suas funções.

Em paralelo com a vida profissional frequenta o 1ºano da Licenciatura de Música na Escola Superior de Educação Jean Piaget / Viseu.


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 20 Abril , 2010, 10:23

 

Passadas as euforias e festejos que a vitória do Vilacovense provocou, tudo torna à normalidade, a esta pacatez de ramerrame, que preenche os quase trezentos e sessenta e cinco dias do ano. 

Mas, diga-se o que se disser, as coisas, salpicadas que sejam no calendário, lá vão acontecendo.

No próximo Domingo, por exemplo, o Grande Concerto da Flor do Alva, que levará Vila Cova em peso à Casa do Povo. Logo a seguir, no Domingo seguinte, a 2 de Maio, a grande final do Vilacovense em Taveiro. A 16, ainda um Domingo, a celebração da Festa de Santa Cruz, com a solene e tradicional procissão. Ainda em Maio, no fim de semana de 29 e 30, a “Mostra de Lavores e Sabores”. Depois, já em Junho, os tradicionais festejos de S. João, com a possível presença, no fim de semana de 26 e 27 do Grupo “A Malta de 60 e 70”.

Entretanto, estão para breve as obras de ampliação e beneficiação das instalações do Centro de Dia, enquanto o “Miradouro” continua a afirmar-se entre “sites” e “blogues” da região.  

Tudo isto, numa pequena aldeia entalhada nos encraves da Beira Serra, cuja população não chega às duas centenas e com um peso etário já algo elevado.

Dá que pensar…

 

Nuno Espinal

 

 

 

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 16 Abril , 2010, 10:36

 

 

Foi sujeito a uma pequena intervenção cirúrgica no Hospital de Oliveira do Hospital, onde se encontra internado desde Quarta-Feira, o Sr. José Raimundo, Presidente da Filarmónica Flor do Alva e bombeiro nos Voluntários de Coja.

Encontra-se bem e aguarda-se o seu regresso a casa já hoje.

Desejamos-lhe rápido restabelecimento


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 16 Abril , 2010, 09:01

Música e Cultura

Quando nascemos, somos totalmente dependentes. Herdamos um ambiente cultural que não escolhemos e do qual jamais nos conseguiremos libertar totalmente. À medida que vamos crescendo, começamos a seleccionar, escolher, exercer e viver nossa liberdade.

Ao tornarmo-nos livres, passamos a cultivar nossos hábitos, desenvolver nossas habilidades e nosso gosto pelas artes. Podemos fazer isso de modo consciente ou não, isto é, podemos deliberadamente optar pelo cultivo de uma determinada arte que nos atrai porque nos dá prazer ou porque nos enleva o espírito.

O Sr. Artur tem qualidades que hoje é muito difícil encontrar, falo por mim porque quando cheguei à Flor do Alva encontrei uma pessoa ponderada, educada e amigo do seu amigo, pelo que eu conheço é um exemplo a seguir, espero que o Sr. Artur continue a ser o que é…os jovens gostam dele assim e eu também gosto.

Um grande abraço,

António Simões, Maestro


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 15 Abril , 2010, 09:03

Já conhecíamos a nova performance do Grupo Coral Litúrgico da Flor do Alva, com ousados registos instrumentais como as congas.

Já tínhamos assistido a um ensaio do Grupo Coral Infantil, o que relatámos no Miradouro.

Agora, o Quinteto Instrumental de Sopro? Esta para nós é uma total novidade e grande surpresa.

O programa aí está, sugestivo e prometedor. E que ninguém duvide! O dia 25 de Abril vai envolver uma tarde de verdadeira consagração.

E o Maestro António Simões a ser credor de uma merecida manifestação de reconhecimento, pelo trabalho e pela dedicação.

 

Nuno Espinal   


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Outubro 2019
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar neste blog