publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 20 Fevereiro , 2021, 22:06

O que vai ser destas aldeias daqui a meia dúzia de anos?

 

150182277_239662924322900_5969130435744768658_o (1).jpg

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 16 Fevereiro , 2021, 07:18

IMG_20210215_110808.jpg

c133bc04-5e6f-4e24-85e4-8709be3295ef.jpg

Dir-se-á que, nesta altura da vida, os utentes da Santa Casa, quase todos com mais de 80 anos, estão alheios a estes acontecimentos: dia dos namorados e carnaval.

É bem verdade que é quase assim.

Mas, motivem-nos na busca de recordações e ei-los a soltar memórias, algumas muito significativas para a história social da aldeia.

Foram visitados neste tempo de carnaval por duas mascaradas do Centro: a Técnica de Ação Social, Dra. Mónica Ferreira e a Animadora Lúdica, Fernanda Santana, que lhes ofertaram presentes alusivos à quadra.

E no dia dos namorados receberam uma prenda especial. Um bolo com um coração no meio.

Tudo muito simples, mas genuíno.

E posso garantir-vos uma coisa. Apesar desta simplicidade de tão módicas ofertas, os nossos utentes sentem-se confortados com estes simbólicos gestos.

E é para os sentirmos agradados que cá estamos.

 

Nuno Espinal

IMG_20210215_103737.jpg

IMG_20210215_105027.jpg

IMG_20210215_111811.jpg

IMG_20210215_171103.jpg

IMG_20210215_164508.jpg

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 13 Fevereiro , 2021, 11:23

148696245_2740898522817876_8279037716515282770_n (1).jpg

Participamos, com profundo pesar, o falecimento do Sr. Augusto Lourenço, de 87 anos de idade, que se encontrava internado num Lar na zona da Pampilhosa da Serra. 

Faleceu vítima do virus Covid, pelo que o funeral será restrito à Família, com todos os condicionalismos que a lei determina.

O corpo do Sr. Augusto Lourenço chegrá ao cemitério de Vila Cova, amanhã, domingo, pelas 10 horas, realizando-se as exéquias fúnebres, a partir das 10 horas e 15 minutos.

Apresentamos à Família as nossas condolências.

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 11 Fevereiro , 2021, 22:16

0001.jpg

Da esquerda para a drieita: Zézinha, Dª Beatriz Alves e Dª Beatriz Almeida

 

 

 

Sei, pela minha própria natureza, moldada pelo ambiente socio/cultural em que cresci, que me é constante um apelo à saudade.

E, tanto que assim é, que as memórias me emergem ao mínimo estímulo.

Esta foto, por exemplo, como que me levitou a um Tempo Outro.

Pessoas de um Tempo em que pontificavam valores de uma Ética e Moral, em que se realçava um certo estar filantropo, uma solidariedade, um companheirismo, reconhecidos nos dias de hoje, até pelo antagonismo que as comparações revelam.    

Sinto saudades desses Tempos, saudades que se sustêm no desenrolar de recordações doces e ternas

Mas, saudades que não branqueiam um passado que tem uma parte obscura: “tempos de miséria”, assim se dizia em Vila Cova.

E este registo não deve nem pode ser nunca ignorado.

 

Nuno Espinal

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 04 Fevereiro , 2021, 13:36

WhatsApp Image 2021-02-04 at 12.30.22 (1) (1).jpg

A necessidade impôs despesa, que está cabimentada nas despesas previstas nos Relatório e Contas para o ano 2021.

Mas a pandemia tem implicado a impossibilidade de realização de Assembleias Gerais, pelo que esta despesa teve que ser concretizada, por necessidade urgente, apesar do plasmado sobre a aprovação de despesas de certa monta.

As carrinhas que dispomos na nossa frota, uma está prestes a fazer 16 anos de circulação e a outra mais de vinte, o que concorre para que estas viaturas de 9 lugares estejam sujeitas a problemas mecânicos, a ponto de já termos utilizado a carrinha do Grupo Desportivo, que solidariamente nos foi emprestada, por as nossas duas carrinhas estarem indisponíveis.

Apresentamos aos leitores do Miradouro e aos associados da Irmandade, a nossa nova carrinha, que ainda não tem inscrito os dizeres de identificação da nossa Santa Casa, o que acontecerá em breve.

 

Nuno Espinal, Provedor da Irmandade da Santa Casa de Vila Cova de Alva

 

WhatsApp Image 2021-02-04 at 12.30.22 (2).jpeg

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 28 Janeiro , 2021, 23:50

O perigo espreita em toda a parte.

E Vila Cova está fora de ser uma exceção.

 Os avisos são feitos constantemente por responsáveis e funcionárias da Santa Casa e por responsáveis do Executivo da União.

Mas, há quem os ignore e comente que o “covid aqui não chega”.

É vê-los nas Tílias, sem máscara e em grupo, a conversarem uns com os outros.

Ignorância, estupidez, irresponsabilidade e egoísmo.

Há até quem, avisado, por suspeito, para ficar em casa até ser testado, tenha ignorado a recomendação e passeasse, sem querer saber do aviso, por ruas de Vila Cova, estacionando sem máscara, nas concorridas Tílias e ali permanecesse em animada conversa com os mesmos de sempre, os que teimam em desatender as recomendações que à saciedade (é mesmo saciedade) são feitas.

Bem fez o nosso Presidente da União, ao ameaçar o tal indivíduo irresponsável, que chamaria a GNR, a fim de serem tomadas devidas medidas coercivas.

Vila Cova já tem casos de covid, de pessoas conscientes que dele não se livraram.

Esperemos que os boçais da pandemia não tornem Vila Cova terreno fértil para a propagação do vírus.

Haja consciência social.

 

Nuno Espinal

 

PS: Entretanto Casal de S. João tem vários infetados e suspeitos.


publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 24 Janeiro , 2021, 19:54

Foram os seguintes os resultados na União de Freguesias de Vila Cova de Alva e Anceriz:

 

Vila Cova  de Alva:

 

Inscritos: 372

Votantes :142

Brancos: 0

Nulos : 2

 

Marisa Matias: 8

Marcelo Rebelo de Sousa: 104

Tiago Mayan: 1

André Ventura: 9

Vitorino Silva: 4

João Ferreira: 3

Ana Gomes: 11

 

Anceriz: 

 

Inscritos: 97

Votantes : 66

Brancos: 2

Nulos : 1

 

Marisa Matias: 0

Marcelo Rebelo de Sousa: 44

Tiago Mayan: 0

André Ventura: 4

Vitorino Silva: 0

João Ferreira: 6

Ana Gomes: 9

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 22 Janeiro , 2021, 22:19

Digitalizar0007.jpg

Chamavam-lhe o “ti” Zé da Laura, mas o nome de batismo era José Antunes.

Dele muito pouco sei. Apenas uma muito breve história que se encaixa, na perfeição, nesta foto, em que o nosso “ti” Zé surge na sua farda de militar, antes da sua incorporação no corpo expedicionário que iria combater em França, na Grande Guerra Mundial de 1914-1918.

Foi um dos vilacovenses que aquela guerra apanhou nos seus vinte anos de idade ou pouco mais.

Terá partido para França, integrado num contingente militar, em 1916 ou talvez 1917. Entretanto por lá andou, em frentes de combate, até que um dia a notícia chegava brutal a Vila Cova, dando-o como falecido em combate.

A família chorou-lhe a morte e cobriu-se de luto. 

Veio o armistício proposto pelos aliados e aceite pela Alemanha em 11 de novembro de 1918.  

Em Janeiro de 19, os familiares do soldado Zé aqueciam-se, já noite, na lareira da sua casa da Rua do Outeiro.

De repente alguém abre a porta. “Não podia ser. O quê, ele o Zé? Ah, não, era por certo alma do outro mundo”.

Fugiram espavoridos, e só momentos depois e ainda a muito custo acabariam por, já recompostos, aceitar a realidade. Era de facto o Zé, bem vivinho, ainda que morto, isso sim, de fome e sede.

Afinal tinha sido feito prisioneiro e, já desaparecido, foi dado como falecido.

 

Nuno Espinal

Scan0037.jpg

Com o Sr. Ernesto em 1991

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 14 Janeiro , 2021, 23:14

Jogos Populares (2)

A preservação memorial dos chamados “jogos tradicionais” é uma atitude de manifestação cultural, que se insere na história de cada terra, de cada região e de cada país.

Torna-se mesmo uma necessidade, já que os avanços da tecnologia são contributos para um crescimento enorme de jogos eletrónicos, o que implica que os jogos tradicionais sejam, não só, cada vez menos praticados, como até tenham, em muitas localidades, desaparecido.

Em Vila Cova, para além de, na atualidade, o número reduzido de crianças ser uma evidência, pode mesmo afirmar-se que os jogos tradicionais desapareceram de vez.

Contudo, nos anos 50 e 60 ainda eram entretenimento das crianças, conquanto, nos anos 60, com o alcatroamento da estrada, a frequência com que eram praticados acarretasse o início do seu declínio.

OIP (1) (2).jpg

 

Jogo da Bola

Recuso a chamar-lhe “futebol”, porque as semelhanças, naqueles anos das décadas 50 e 60, pouco mais eram do que a existência de uma bola, nunca igual à oficialmente reconhecida, e pontapés na “redonda”, de modo a que, mais chuto, menos chuto, chegasse à situação propícia de um biqueiro que levasse a bola a ultrapassar a linha de baliza da equipa adversária.

Onze contra onze era quase improvável atendendo às dimensões dos recintos onde os jogos eram efetuados.

O espaço onde posteriormente foi construída a Casa do Povo era o terreiro de eleição das jogatanas de bola nos anos 50 5 60.

As regras eram simples: bola na mão de um jogador que não os guarda redes era falta e uma ou outra caneladazita também contava como infração. Penaltis não havia e foras de jogo era coisa que ninguém conhecia. E tudo ao critério dos jogadores porque árbitro era coisa de outro mundo.

Mas, as jogatanas lá se faziam e acabavam quando um outro jogador saía, ou por estar farto ou por cansaço.

As balizas eram marcadas com calhaus e em cada jogo as dimensões variavam.

Recordo que uma vez, em período das minhas férias escolares, tinha para aí uns doze anos, fui convidado para integrar uma equipa que não sei se representava o Benfica ou o Sporting.

Só me lembro que tinham formado equipas em representação, cada uma, de um dos dois clubes.

Ao saber do combinado disse logo.

- “Eu só represento a Académica”. De facto, por via da minha família paterna, toda Briosa, outro clube não poderia ter.

Ao meu comentário ninguém ligou.

Acontece que, quis o acaso, que marcasse um golo. E não demorei a bradar alto e bom som:

- “Este golo foi da Académica”.

E logo alguém ripostou:

- “Se foi da Académica, não é do clube que você representa”.

- “Isso não me interessa”, respondi, “essa questão é um assunto vosso. Eu bem vos avisei"

Gerou-se discussão, não houve consenso e o jogo terminou ali.

 Pião

jogo-do-piao-1 (1).jpg

 

A pobreza da maioria das famílias em Vila Cova impedia as crianças de adquirirem piões contruídos com uma melhor estrutura, em mercados próprios.  

Contudo, com um torno tudo se resolvia.

Dono de um torno era o tio João Caldeira, homem já velhote na década de cinquenta, mas que correspondia aos pedidos das crianças, e barafustando, lá lhes arranjava um pião.

Um prego era martelado na cabeça do pião em direção à parte mais baixa e a parte do prego que daí saía era o bico do pião.

Para jogar ao pião, com vários jogadores, marcava-se em piso térreo uma circunferência que deveria ter de diâmetro cerca de metro e meio.

O objetivo do jogo era os jogadores projetarem o seu pião em direção ao círculo e conseguir que o seu pião projetasse os restantes para fora do círculo.

Para um melhor desempenho do pião, para além de um jeito próprio no seu lançamento, devia-se enrolar um cordel, sem folgas, à sua volta, cordel que era seguro, na extremidade solta, com a mão, a fim de o projetar o pião para o sítio pretendido, desenrolando-se o cordel com um golpe rápido e rápido da mão.

Cabra-Cega

descarregar (1) (1).jpg

 

O jogo da Cabra-Cega requeria pelo menos três participantes.

Um dos participantes era escolhido como “cabra cega”, pelo que se lhe vendavam os olhos com um lenço de forma a que não pudesse vislumbrar nada.

Os outros participantes deviam fugir-lhe a fim de não serem tocados ou agarrados.

Para um melhor funcionamento do jogo, o espaço onde se desenrolava deveria ser pequeno, dando maiores possibilidades ao “Cabra-Cega" de poder tocar ou agarrar um dos outros participantes

Jogo do Eixo

istockphoto-163858414-170667a.jpg

 

Os jogadores, excetuando o  que ia saltar primeiro, amochavam em linha, ou seja, dobravam o corpo e a cabeça para a frente, separados entre si cerca de um metro.

O jogador saltador, fazia o salto apoiando as mãos no dorso dos jogadores que estavam curvados.

Logo que terminasse todos os saltos amochava, tomando a posição de saltador o jogador que estava no primeiro lugar dos amochados.

O jogo terminava quando os jogadores o entendiam.

Jogo do Botão

 

descarregar (2).jpg

 

Cada jogador atirava o seu botão na direção da uma cova, previamente esburacada.

 O jogador que atirasse o botão mais perto da cova tinha prioridade na jogada seguinte que era a de introduzir o botão na cova, jogando o botão com um toque de dedo.

Seguiam-no, nesta tentativa os restantes jogadores, mantendo-se o critério da distância à cova.

O jogador que primeiro conseguisse meter o seu botão na cova, ganhava os botões dos outros jogadores.

Saltar à Corda

brincadeira-de-crianc3a7a1 (2).jpg

 

O objetivo deste jogo é saltar uma corda, com cerca de dez metros de comprimento, segurada nas pontas por dois jogadores, que a fazem balançar em movimentos circulares.

Os participantes em jogo vão saltando, um de cada vez, por cima da corda sempre que esta, no seu movimento circular, se aproximar dos seus pés, terminando a jogada quando o saltador tocar a corda, dando a vez ao jogador seguinte.

Há também uma outra opção de disputa deste jogo: cada jogador salta com a sua corda, que deve medir dois metros de comprimento.

Os saltos variam na sua forma: aos pés juntos, ao pé coxinho e no seu próprio ritmo, circulando a corda com mais ou menos velocidade.

Em Vila Cova eram as meninas que mais jogavam à corda.

Arco e Gancheta

arco 3.jpg

 

O objetivo do jogo do arco e gancheta era o de colocar os participantes a rolar um arco de metal, empurrado por uma vara com gancheta, que podia ser uma vareta de metal ou de madeira com um gancho na ponta e que tinha a função de direcionar ou travar o arco.

Os participantes partiam de um ponto de partida, até atingirem uma linha que era a meta.

Havia, contudo, crianças que sozinhas se entretinham a manusear o arco e a gancheta.

Jogo da Macaca

OIP (3).jpg

 

Este jogo implicava, logo à partida, desenhar a macaca, conforme figura que publicamos.

Para o jogar a criança lançava uma marca (geralmente uma pedra achatada) para a primeira casa e deslocava-se até lá ao pé coxinho, apanhando a marca e voltando para trás.

Cumprida a primeira casa, a criança passava ao passo seguinte que se tornava igual ao antecedente, com a diferença de o objetivo ser a segunda casa.

E, assim, sucessivamente, cumpria todas as casas até chegar ao último patamar.

Nas casas 4 e 5 e 7 e 8 os dois pés deviam ser colocados em simultâneo.

Quando cumpria a última casa era obrigado a efetuar o percurso contrário.

Berlinde

jogar berlinde.jpg

 

Poucas eram as crianças que dispunham de berlinde, já que para os ter era preciso comprá-los e, provavelmente, só em Arganil, como localidade mais próxima onde era possível adquiri-los.

Mas, os poucos que os tinham lá os utilizavam no jogo, o qual começava por exigir a existência de uma cova.

A uma distância combinada lançava-se o berlinde para a cova.

O berlinde era lançado por um pequeno movimento do polegar e do indicador.

Se o berlinde entrasse na cova, o jogador continuava em ação, com o intuito de atirar o berlinde do adversário o mais longe possível da cova.

Caso consiguisse tocar o berlinde do adversário, o jogador tornava a lançar o berlinde para a cova e a sequência de procedimentos era a mesma.

Caso falhasse um destes procedimentos dava a vez ao adversário e o jogo seguia com as regras referidas.

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 10 Janeiro , 2021, 10:14

e82b5e83-932e-4b28-be93-515985cbdb61 (1).jpg

 

Jogos Populares (1)

Os jogos populares tinham como principais objetivos o convívio, a diversão e o entretenimento. Mas, também, puxavam às habilidades corporais e ao próprio intelecto.

Dos jogos que apresentamos, os dois primeiros eram jogados por adultos, sendo os dois primeiros à volta de uma mesa.

Os outros dois, eram jogos de crianças, mas que serviam também de entretenimento de adultos.

1803_b (1).jpg

 

Loto

Grupos, em especial de famílias, juntavam-se, à noite, em períodos do ano, para conviverem e, entretanto, jogarem o loto.

O loto era jogado por meio de cartões, cada um com 15 números, dispostos em linhas de 5, de 1 a 90, impressos aleatoriamente.

Havia, geralmente, um saco que continham marcas cilíndricas numeradas de 1 a 90.

 A marcas eram tiradas ao acaso e ganhava o jogador que primeiro conseguia encher os seus cartões. Quando assim acontecia dizia “quinei”.

Os números, por quem lia na saída do saco, eram todos alcunhados.

Por exemplo: o 10 era “pau e bola”, o onze “pernas do Sr. Prior”, o 13 “azar”, o 15 “Quinzinho”,

 o 22 “patinhos”, o trinta e três “Anos de Cristo”, o 68 “antes da bronca”, o 69 “bronca”, o 70 “depois da bronca”, o 90 “pai velho”, etc.

As pessoas divertiam-se e ninguém, feitas as contas finais, ficava mais pobre ou mais rico, até porque cada cartão custava um ou dois tostões e a última jogada, chamada a tômbola, aumentava a parada e o cartão ia ao preço de cinco tostões.

OIP.jpg

 

Sueca

A sueca era um jogo de cartas, muito popular em Vila Cova nos anos 50 e 60 jogado, muitas vezes, na taberna do Sr. Fernando Gabriel.

Havia grandes craques no jogo da sueca que era jogado por dois pares de jogadores, cada par constituindo uma equipa.

Durante o jogo os jogadores não podiam falar, nem trocar qualquer tipo de sinal, como pancadas em cima da mesa, bater com os pés no chão, etc. Mas, jogadores experimentados que mantinham uma parceria longa, tinham sinais dissimulados, que os aplicavam sem que os adversários os compreendessem.

Por vezes a sueca era jogada com um certo fanatismo, havendo mesmo jogadores que se irritavam, quando o jogo lhes corria mal, zangando-se, barafustando, acusando os adversários de utilizarem sinais, que eles detetavam durante o jogo. Mas, nada provavam e no fim de cada jogo o que contava eram os pontos obtidos.

Contudo, terminada a contenda, as zangas terminavam e mantinham-se as amizades.

descarregar (1).jpg

 

Malha

Nos anos cinquenta ainda se jogava o jogo da malha, ou chinquilho, quando a estrada, que atravessava Vila Cova era de macadame. Depois, com a estrada já alcatroada perdeu-se a prática deste jogo.

O jogo era praticado tanto por homens, como pelos mais novos.

O jogo consistia no lançamento de discos de metal em direção a um pino. Quem derrubasse o pino somava pontos. Caso nenhum dos jogadores acertasse no pino, verificava-se qual o disco que mais perto ficava do pino, somando mais pontos do que os outros, que também iam somando pontos, consoante o posicionamento mais próximo do pino.

Os mais novos, que não dispunham de discos de metal, jogavam com pedra redondas e achatadas (seixos) que, geralmente, recolhiam na zona do Salgueiral, nas margens do Alva.

jg_20141114_550x366_01.jpg

 

Bilharda

Não era um jogo muito praticado, conquanto, para além de crianças e jovens, era jogado também por adultos, geralmente na estrada térrea, ainda nos anos cinquenta.

Desenhava-se uma circunferência no chão. Cada um dos jogadores estava munido de pau, um com cerca de 60 cm. Havia um outro pau, afiado numa das pontas ou mesmo nos duas, com uns 10 cm. Este pau era chamado bilharda. O propósito era meter a bilharda na circunferência a fim de somar pontos. O jogo começava com um jogador, empunhando o pau maior, a lançar a bilharda ao ar com uma pancada certeira e arremessá-la o mais longe possível. O adversário tentava apanhá-la com o intuito de introduzir a bilharda na circunferência e somar pontos. O jogo ia-se desenrolando, sempre com o propósito de cada um dos jogadores introduzir a bilharda na circunferência.

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Caro Sr. Avelar: obrigado pelo seu comentário. Apr...
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Demasiado jovem para partir.Que descanse em paz.
Sentidos pêsames a toda a família. Muita força e c...
Abril 2021
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds