publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 25 Julho , 2007, 23:51
É o que se pode chamar uma resistente. E ela própria confessa:
 
“Podia ter, como quase todos, abalado ou para Lisboa ou para Coimbra ou para um qualquer outro local. Mas decidi ficar. Não sou eu quem vai contribuir para a chamada desertificação do interior.”
 
E de facto, assim é. Nem ela nem o marido, também ele vilacovense, deixaram a sua Vila Cova. Casados, há cerca de dois anos, fizeram-se à vida onde a sorte lhes proporcionou trabalho, mas mantendo residência na sua terra.
 
A Cláudia Lourenço, é este o seu nome, é hoje cabeleireira em Arganil. O vai e vem diário não é coisa que a perturbe. Afinal, hoje, as distâncias até estão longe de ter as dimensões antigas. “O ir e vir do dia a dia até se faz bem.”
 
Depois é o descanso ao fim de semana. Descanso, quer dizer…é que a lida da casa não lhe dá parança. Folga, essa, só a do cabeleireiro. E às vezes nem isso. Pois é. Algumas, das suas conterrâneas, aproveitam-lhe o saber capilar e a disponibilidade. Uma garagem serve de “Salão”. Algumas, e há que dizê-lo, e alguns. É que a Cláudia também se ajeita e bem na “Arte de Fígaro”.
 
Cabeleireiro “Unisexo” em Vila Cova?  Quem diria?!...
 
 
 
 
 
 
Nuno Espinal/Carla Marques

comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Julho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
26
28



pesquisar neste blog