publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 27 Abril , 2013, 00:03

Versão Livre do Poema (Liberdade) de Nuno Espinal

 

Havia um peso – um penedo medonho

Que se desfez. Depois floriram cravos.

Lembras-te amigo? Não! Não era um sonho!

E tanto que nos rimos e cantámos.

 

“Que venha o futuro” – tu dizias.

E mais, disseste: “Abril, desejos mil”

Mas os anos passaram e os nossos dias

São hoje o travo amargo desse Abril.

 

Mas bendizemos ainda este latejo

De liberdade; já tão destruída.

Que a brindemos sempre com o desejo

De celebrar a paz, o Amor e a Vida.

 

Silvino Lopes

 

 

Liberdade (I)

 

Chegou mais um Abril. A madrugada

Que fez erguer, feliz, um povo inteiro.

Daquilo que colheu, não sobra nada.

Abril já se perdeu no nevoeiro.

 

Chegou mais um Abril e a liberdade

Zarpou dentro de nós como um veleiro.

Já não se vê, mas ficou a saudade.

Abril já se perdeu no nevoeiro.

 

Chegou mais um Abril. Nasce de novo

A esperança e a vida como no primeiro.

Mas tudo foi tirado a este povo.

Abril já se perdeu no nevoeiro.

 

Mas a vontade cresce e acalenta

A fúria de mudar. E o povo inteiro,

Cansado de sofrer, ergue-se e tenta

Fazer Abril, de novo, soalheiro.

 

Silvino Lopes

 

Liberdade (II)

 

Era criança e dormia

Num sonho primaveril.

Era noite e eu não sabia

Que estava a nascer o dia

... Aquela manhã de Abril

 

Era criança e sonhava

Brincadeiras, alegria,

E nem sequer suspeitava,

Por cada riso que dava,

Um inocente morria!

 

Apenas por discordar

De quem “fazia” a verdade,

Era preso por falar,

Torturado por calar,

Por amar a liberdade.

 

Eu não sabia e dançava

Nas nuvens belas do sonho.

E o meu país sangrava

E o meu povo chorava,

Num medo que era medonho.

 

Era criança e dormia

Descansada, sem saber

Que tanta gente sofria,

Que um povo inteiro queria

O que eu não sabia querer.

 

Hoje, cresci... acordei

Do sonho por onde estive.

Hoje sinto o que sonhei

Em criança, (agora sei)!

Que o meu país luta e vive!

 

 

 “Á sombra de uma azinheira,

Que já não sabia a idade,

Desfraldei minha bandeira,

Jurei ter por companheira,

A chama da liberdade.”

 

Silvino Lopes


Joaquim Espiñal a 27 de Abril de 2013 às 10:10
Poemas que arrepiam pela verdade que encerram. Lindos e profundos. Mas não nos faltará a esperança de um Abril renascido enquanto houver poetas que a proclamem. Como estes que vieram à estampa.
Obrigado Nuno. Obrigado Silvino. Abril conta convosco.
Abraços.
Quim Espiñal

comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Abril 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

15
18
19

22
25
26



pesquisar neste blog