publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 28 Março , 2013, 23:45

Um edifício de uns 20 andares e no rés-do-chão, no átrio, um aglomerado de gente pronta à boleia do elevador. De entre nós, sobressai um fulaninho, trejeitos amaricados, vozinha de falsete, gestos ondulantes a condizerem. Com ele uma jovem, linda de morrer. Falam um com o outro, vim a perceber que são colegas da empresa que, por acaso, é a razão da minha deslocação ali.

A empresa ocupa, no edifício, os andares 15 a 18.

O ascensor arranca e vai parando em todos os andares. Os dois conversam, com alguma familiaridade. A certa altura ouço da jovem:

“Está quietinho com as mãos Luisinho. Para a próxima levas um estaladão!...”

Di-lo baixo, quase ao ouvido do outro, com voz danada. Só que, por mais que o não quisesse, face à proximidade, não pude evitar de ter capatado tão raivosa ameaça.

Ele apercebe-se de tal, olha-me de modo encavacado e comprometido.

A jovem, entretanto, sai num piso imediatamente inferior ao que era meu destino. Comigo, no piso logo a seguir, sai o tal Luisinho e mais ninguém. 

E o Luisinho, ainda embaraçado e todo serpenteante, resolve atirar-me esta:

“Aquela miúda é tão boa que eu até me esqueço que sou maricas…”

Dá uma gargalhada toda estridente e lá toma o seu caminho.

E eu, porra, não é que me ri também?

 

Nuno Espinal


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Março 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15


27
30



pesquisar neste blog