publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 30 Junho , 2012, 10:51

 

 

-A questão que parece presidir na tomada de posição sobre a opção mais valorativa nas obras de requalificação da “escadaria da igreja do convento” é o respeito que nos poderá merecer a intensão original sobre o material utilizado na construção daquela escadaria.

Mas, mesmo que seja afiançado e provado que originalmente estava prevista a construção da escadaria da igreja com muros revestidos a argamassa e pintados de branco, este argumento não subleva, em meu entender, o que sustenta a manutenção da escadaria com o seu visual em pedra de xisto:

--A construção da escadaria é de 1870 e não está direta e, muito menos, temporalmente associada à construção da Igreja, sendo a construção desta muito anterior àquela data.

- Daí que o argumento de que as construções de templos religiosos datados àquele período seguissem o princípio da utilização de materiais que, a final, eram pintados de branco, parece destituído de assentimento, face à diferenciação temporal referida e na ausência de ligação imediata e direta entre construção da igreja e construção da escadaria.

-De facto, a construção da escadaria é obra do povo, especificamente da Irmandade da Santa Casa, com o intuito de permitir a acessibilidade à igreja por parte da população de Vila Cova;

-Mesmo que se admita que originalmente houvesse a intensão ou mesmo que se tivesse verificado na finalização da obra a utilização de material como argamassa em sobreposição à pedra de xisto e a pintura a branco, como resultado final, o certo é que a principal e relevante caracterização da obra não deixaria sempre de ser a pedra de xisto.

-De resto, era na escadaria da igreja do convento que residia a principal e quase única prova visível a olho nu da razão de Vila Cova de Alva estar integrada na “rede de aldeias do xisto”.

-É o escondimento desta caracterização que se critica e condena, até porque desnecessária e sem motivos de mais-valia no seu resultado final.

-Por outro lado, esteticamente, perde-se um valor que era motivo de elevação de Vila Cova, admiração dos seus visitantes e orgulho dos Vilacovenses.  

-E agora? Sobre a defesa da visualização do xisto na “escadaria da igreja do convento” o que há a fazer? Latinizando a resposta só me surge esta corrente expressão: aeternum vale, ou seja, adeus para sempre…

 

Nuno Espinal

Foto: de uma coleção de 1932


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16


24
27
29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds