publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 23 Fevereiro , 2011, 08:03

 

Nos meses de Julho, Agosto e Setembro, os que escolhem Vila Cova como destino veraneante criaram o hábito de umas passeatas nocturnas ao longo da estrada, as quais, nos últimos anos, se têm estendido para lá da fonte dos passarinhos até à zona da portela.

Este percurso, de cerca de pouco mais de meio quilómetro, tornou-se como uma ritualização, possuído de um sagrado momento, que é o da paragem, por mais ou menos uma hora, no miradouro fronte das “alminhas”.  

Aí se conversa, aí se soltam gargalhadas, aí se recordam outros tempos, com a escuridão da noite a relevar lembranças e saudades e a imensidão de estrelas a testemunharem o acto.

Mas, tomem lá atenção amigos dessas “movidas corvachas”! O pitoresco que recolhíamos nestas nossas celebrizadas passeatas vai ser uma lembrança das calendas. O escuro, que nos potenciava os ouvidos para as cantorias das miríades de bicharada, passará a ser assunto de histórias do passado, descrito nas nossas crónicas “do como era dantes”.

É que ao longo de toda a estrada, desde o “barranco” até ao caminho para a “redonda”, quinze postes aguardam candeeiros que vão dar luz a rodos à estrada e claro…o  escuro já foi…

Acabam-se as minúsculas lanternas, compradas nos “chinocas” de Coja, e que todos nós, sem exceção, havíamos adquirido para, fugazmente, darmos aos olhos a sua função, em prevenção a insidiosas surpresas pregadas pelo escuro.

Havia um bucolismo nisto tudo. A noite e a escuridão assim o ajudavam. E até as tais lanterninhas, vistas a uma certa distância, aí a uma meia dúzia de metros, passavam bem por cintilantes pirilampos.

Mas pronto! Eis-nos perante o progresso. Assim o quis a Junta e nada a opor. Saudemos a luminária!

Fica-nos, no entanto, no recanto da memória, a recordação da “velha estrada d'outrora”.

Sim! Da velha estrada d'outrora. Porque agora, à noite, com tanta luz e tanta extensão (desde a ponte até à portela) a velha estrada mais se assemelhará a uma avenida. A avenida da nossa saudade…

 

Nuno Espinal   

 


Anónimo a 23 de Fevereiro de 2011 às 13:53
Agradeço à Junta de Freguesia (e também à Câmara Municipal) tal feito. É bom e Vila Cova merece esta inovação.
Em sinal de apreço cito um grande poeta português por todos conhecido, Luís Vaz de Camões

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o Mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem (se algum houve), as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e, enfim, converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soía.

Luís de Camões

comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Fevereiro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

18


28


pesquisar neste blog