publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 23 Fevereiro , 2011, 08:03

 

Nos meses de Julho, Agosto e Setembro, os que escolhem Vila Cova como destino veraneante criaram o hábito de umas passeatas nocturnas ao longo da estrada, as quais, nos últimos anos, se têm estendido para lá da fonte dos passarinhos até à zona da portela.

Este percurso, de cerca de pouco mais de meio quilómetro, tornou-se como uma ritualização, possuído de um sagrado momento, que é o da paragem, por mais ou menos uma hora, no miradouro fronte das “alminhas”.  

Aí se conversa, aí se soltam gargalhadas, aí se recordam outros tempos, com a escuridão da noite a relevar lembranças e saudades e a imensidão de estrelas a testemunharem o acto.

Mas, tomem lá atenção amigos dessas “movidas corvachas”! O pitoresco que recolhíamos nestas nossas celebrizadas passeatas vai ser uma lembrança das calendas. O escuro, que nos potenciava os ouvidos para as cantorias das miríades de bicharada, passará a ser assunto de histórias do passado, descrito nas nossas crónicas “do como era dantes”.

É que ao longo de toda a estrada, desde o “barranco” até ao caminho para a “redonda”, quinze postes aguardam candeeiros que vão dar luz a rodos à estrada e claro…o  escuro já foi…

Acabam-se as minúsculas lanternas, compradas nos “chinocas” de Coja, e que todos nós, sem exceção, havíamos adquirido para, fugazmente, darmos aos olhos a sua função, em prevenção a insidiosas surpresas pregadas pelo escuro.

Havia um bucolismo nisto tudo. A noite e a escuridão assim o ajudavam. E até as tais lanterninhas, vistas a uma certa distância, aí a uma meia dúzia de metros, passavam bem por cintilantes pirilampos.

Mas pronto! Eis-nos perante o progresso. Assim o quis a Junta e nada a opor. Saudemos a luminária!

Fica-nos, no entanto, no recanto da memória, a recordação da “velha estrada d'outrora”.

Sim! Da velha estrada d'outrora. Porque agora, à noite, com tanta luz e tanta extensão (desde a ponte até à portela) a velha estrada mais se assemelhará a uma avenida. A avenida da nossa saudade…

 

Nuno Espinal   

 


Anónimo a 23 de Fevereiro de 2011 às 13:53
Agradeço à Junta de Freguesia (e também à Câmara Municipal) tal feito. É bom e Vila Cova merece esta inovação.
Em sinal de apreço cito um grande poeta português por todos conhecido, Luís Vaz de Camões

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o Mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem (se algum houve), as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e, enfim, converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soía.

Luís de Camões

comentários recentes
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Caro Sr. Avelar: obrigado pelo seu comentário. Apr...
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Demasiado jovem para partir.Que descanse em paz.
Sentidos pêsames a toda a família. Muita força e c...
Fevereiro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

18


28


pesquisar neste blog