publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 23 Outubro , 2010, 16:49

Era puro, purinho, de tão puro que em tudo acreditava, bastava dizerem-lhe. Por todos era estimado e notava-se-lhe felicidade, naquela ausência de saberes e responsabilidades.

Soldado básico, os recados eram a sua única função. Tinha ainda assim um nome pomposo, Xavier Cerdeira.

 

"Então Cerdeira, vai ou não?"  

 

"Cá estêmos, mê alferes, cá estêmos - era a resposta que sempre dava.

 

Um dia a maltosa levou-o a um bordel. Cheiro a álcool a tresandar, muitas gajas quarentonas, algumas brancas, pelos na beiça e nos sovacos, mulatas e pretas do mais chungoso, mesas e cadeiras, no meio uma pista de dança, chão em oleado de um azul cheio de riscos e nódoas, músicas de Nelson Ned, um tal Alberto Cortez, de bigodinho argentino na capa do disco, e até o conjunto de Maria Albertina e uma música, tocada à exaustão, o “soldado que vais para a guerra”.

 

Mas lá se dançava, mãos nas bundas, algumas de volumes a extravasar para umas três ou quatro réplicas de normais proporções.

 

Lá arranjámos o arranjinho, já fisgado, confesse-se, para que o Cerdeira, já bebido, se roçasse numa daquelas amostras de pretensas beldades e na rifa lá lhe calou um dos potes mais banhudos ao dispor.

 

O Cerdeira entrou no céu. A transbordar de álcool, olhos cintilantes e esgazeados de prazer, mãos loucas a tactearem aquela imensidão de bunda.

 

Foi então… então ouvi-lhe, ouvimos-lhe todos, uma das mais inflamadas declarações de amante em absoluta rendição.

 

“Oh menina, xabe? A menina tem uns “jólhos” tã lindos!...

 

Os olhos miúditos da mulata já “entradota” tremelicaram, esborratando mais o rímel prateado às carradas e as pestanas postiças engordoradas que lhe apalhaçavam a cara.

 

A partir daí, o Cerdeira perdeu o seu santificado nome e ganhou, por diabólico crisma, um outro nome.

 

A partir daí não mais deixou de ser o Sr. “Jólhos”  

 

 

Nuno Espinal

 


rouxinoldepomares a 23 de Outubro de 2010 às 20:48
Meu caro amigo Dr. Nuno Espinal. Boa noite!
Uma estória giríssima e um belo texto, aliás, como sempre. O que o alcool faz!...
Um abraço
António Manuel Silva

comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Outubro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

20

24
27
28



pesquisar neste blog