publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 29 Julho , 2010, 21:16

Claro que a agricultura de subsistência, na nossa zona, já é das calendas. Mas há produtos sacados à terra que ainda fazem parte das lavouras de muitas famílias. A batata é um deles.

E, em pleno período da sua apanha, a paisagem dos campos é salpicada por grupos que, no estorrico de um sol escaldante, a arrancam, para depois a ensacarem.

A lavoura, nos trabalhos em que maior quantidade de braços é precisa, é feita em partilha, em entreajuda.

Junta-se a família, acrescida de amigos, hoje na minha fazenda, amanhã na fazenda de um amigo, de outros amigos.

E vão-se repetindo os ciclos, ainda que, nos seus preceitos, usos e práticas, com adaptações às circunstâncias.

Há, para alguns, uma nostalgia do que era em outros tempos. E, para outros, o que é hoje há-de ser nostalgia em tempos do devir.

 

Nuno Espinal


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Julho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


24



pesquisar neste blog