publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 01 Janeiro , 2010, 10:01

Vila Cova, zero horas, nasce 2010. Foguetório, bater de tachos e panelas, vozearia por todo o lado. Cinco minutos de alarido. Depois, na rua, tudo regressa à calmaria. O festim, a prosseguir, tem os seus espaços da praxe. Ceias, brindes de bom ano, beijos, abraços e siga a música. Nos lares de cada um as “têvês”, invariavelmente, prendem a minha gente com as finalíssimas de concursos, que se arrastam há semanas. Bate a meia noite e todos nós de olho aberto, todos presos ao mesmo.

 Pois é! Minhas senhoras e meus senhores, eis a globalização pura e dura, eis-nos organizados e ligados, planetariamente, à ideia da importância de um mero “tempo de relógio”. Depois o que muda, em alguns casos, é apenas uma razão de dimensão. Dos aparatos sofisticados, no gigantismo das grandes cidades a um simples bater de tachos e estrondear de foguetes, na pequenez de uma simples aldeia.

 

Nuno Espinal

 


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
Muito bem! Gostei. Contudo falta referir muitos pe...
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
16

19




pesquisar neste blog
 
subscrever feeds