publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 26 Novembro , 2009, 08:32

“GENEBRA (Reuters) - As concentrações de gases do efeito estufa, a maior causa do aquecimento global, estão no maior nível já registrado e seguem em alta, disse a organização mundial de meteorologia da ONU (WMO, na sigla em inglês) nesta segunda-feira.

O chefe da agência, Michel Jarraud, disse que a tendência pode estar empurrando o mundo rumo às avaliações mais pessimistas sobre o aumento das temperaturas, esperado nas próximas décadas, e disse que enfatiza a necessidade de ação urgente.”

 

Esta notícia é recente e não teve o impacto que o seu alarmismo justifica. As altas instâncias mundiais do poder teimam em ignorar e aplicar as medidas que cada vez mais se impõem, isto por razões perversas de ganhos economicistas. Todos sabemos quais os factores que são a causa desta calamidade. E neste contexto todos sabemos quanto as árvores e florestas são um aliado da humanidade.  De facto as árvores e em especial as florestas são, para além do sustento de uma enorme variedade biológica, os pulmões do planeta.

Ao consumirem CO2 (dióxido de carbono) atenuam as emissões deste gás, e equilibram as suas quantidades existentes na atmosfera. 

É por isso que a árvore assume uma importância vital na normalização do efeito estufa, que, potencializado nos tempos que correm, provoca aumento da temperatura do ar, com as conhecidas consequências nefastas para o equilíbrio dos ecossistemas.

 

 O culto da árvore serve, no mínimo, para que a respeitemos, glorifiquemos e ajamos em sua defesa. O breve apontamento que a seguir publicamos fomos colhê-lo a um dos saudosos “Ecos do Alva”. Uma memória que nos tempos de hoje, por tão bastas razões, ganha um ainda maior respeito.

 

“Em 9 de Março (de 1913), por deliberação superior, celebrou-se (em Vila Cova) a festa da árvore, que foi abrilhantada pela filarmónica de Avô. Falaram às crianças e à numerosa assistência sobre o significado da festa e do culto que se deve prestar à árvore o Prof. António Nunes de Oliveira e Costa e o pároco da freguesia Reverendo Alfredo Nunes de Oliveira.”

 

De facto, a relação do homem com o ambiente é de gestos e práticas opostas. Umas vezes amigo, e outras, e vezes de mais, inimigo.

 

 

 

 

 

Nuno Espinal

 

 


comentários recentes
Mais um homem bom que nos deixa. Há tempo que não ...
A perda de um amigo e a amigo da minha família, de...
Publiquei um comentário sobre o meu tio Zé, não ch...
Tio Zé Torda , descanse em paz e que DEUS o pon...
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18




pesquisar neste blog