publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 25 Novembro , 2009, 00:24

Estive a semana passada em Lisboa. Uma olhadela pela noite e fiquei pasmado. Ruas já iluminadas com motivos natalícios e, para maior espanto, o tremelicar de luzinhas e mais luzinhas em vulgares janelas de habitações. E tudo isto a mais de um mês do vinte e cinco de Dezembro. É de mais! Já nem falo dos anúncios, a televisão na vanguarda. Natal, natal e mais natal!

 

Porra! Este frenesim apoquenta-me. Vulgariza o Natal. Ano a ano, o Natal cada vez mais precoce. Por isso, hei-de prevenir-me. Quero o meu Natal a ser cumprido no seu próprio Tempo. Daí que Vila Cova ainda seja uma reserva. Nas memórias e ainda no presente.

E como dizia Nietzsche: “Há muitas coisas que quero, de uma vez por todas, não saber. A sensatez estabelece limites mesmo ao conhecimento.”

 

Nuno Espinal

 

 


comentários recentes
Mais um homem bom que nos deixa. Há tempo que não ...
A perda de um amigo e a amigo da minha família, de...
Publiquei um comentário sobre o meu tio Zé, não ch...
Tio Zé Torda , descanse em paz e que DEUS o pon...
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18




pesquisar neste blog