publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 22 Setembro , 2009, 09:45

Surgiam as primeiras chuvas e trovadas, os dias ficavam sombrios, Setembro já caminhava para os últimos dias, as férias escolares estavam no fim.

Invariavelmente, ano a ano, tudo a repetir-se. Com as férias, já longas, eram fatais os pares de namorados, consolidados na libido dos nossos jovens anos.

As tardes e noites chuvosas impunham convívios caseiros, em conversatas, jogos de cartas e, por vezes, em bailaricos. Recordo, nessas ocasiões, uma cançoneta francesa que nos era mágica: Derniers Baisers. Lembram-se?: Quand vien la fin de lété…

E como a expressávamos! Colávamos os corpos amantes, mãos apertadas, respirações a ofegarem, o beijo consagrador.

Nas árvores desenhávamos corações, os nossos nomes, os nomes delas. E nesta poesia da idade chegavam as horas das partidas. E que despedidas! Olhos nos olhos, longamente, juras de amor eterno, lágrimas até.

Também eu fui tocado por estas garras do cupido. Ela partiu, era manhã. Lágrimas recíprocas, claro. Depois poemas de amor. Escrevi-os arrebatadamente. Chegou a hora do almoço. A comoção permanecia. Não me contive. Lágrimas, mais lágrimas, já de saudade. Mas, oh ironia do destino! Essas lágrimas tão poéticas a caírem numa tão prosaica chispalhada de  porco!

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
Muito bem! Gostei. Contudo falta referir muitos pe...
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
Setembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17

20



pesquisar neste blog