publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 24 Agosto , 2009, 12:02

Fiz a aquisição do “CD” do filme “Aquele Querido Mês de Agosto” e de imediato, com sofreguidão, confesso, dediquei-me ao seu visionamento. A grande expectativa que o filme pessoalmente representava, pelos comentários que me tinham chegado, guindou-o, porventura, a uma fasquia demasiado alta, que poderá ter-me defraudado, um pouco, o que dele aguardava, pela sugestão, até, que para mim lhe estava contida no próprio título.

O facto de conhecer razoavelmente essa realidade, a realidade de Agosto das nossas aldeias, que presumi, repito, o filme pretender retratar, poderá, à partida, ter-me condicionado à aceitação de aspectos que o realizador pretendeu narrar e evidenciar no guião.

De facto, Agosto é muito mais, para mim, em termos de movimentação e dinâmica próprias nestas aldeias, do que aquilo que no filme é sugerido.

Mas a ideia do filme partiu, sei-o agora, de uma ideia que ao realizador surgiu após ter assistido a um bailarico nocturno, com um conjunto em palco a “abrilhantar” uma festa das muitas que vão sucedendo em Agosto.

Alterado, então, o estado de espírito inicial com que parti para o deleite do filme, que de algum modo me criou um preconceito, tornei a visionar o filme já com outra adequação para os sentidos. E, eu próprio, acabei por me render e compreender também a forma entusiástica com que muitos o têm recebido.

O que acaba por relevar no filme, no seu conjunto documentário e ficção, é a mostragem de uma realidade que a globalização ainda não conseguiu contagiar. Não significa isto que muitos aspectos da vivência do quotidiano das aldeias da nossa beira-serra não estejam já tocados por imperativos ambientais, devidos a muitas exterioridades. Mas há vivências, e são muitas, que permanecem da tradição. O filme destaca-as de uma forma muito natural, muita retratista. Os próprios actores, no seu tão patente amadorismo, realçam essa naturalidade. E o filme acaba, e é apenas a opinião de um leigo na matéria, por ser brilhante.

 

Nuno Espinal

 


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds