publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 06 Junho , 2009, 09:22

Poderão achar muitos leitores que o título deste apontamento (Amália e Severa por um lado e Joaquim Leitão e João Brandão por outro) concitará, na associação dos pares de nomes, pouca concordância ou até um certo ilogismo.

E de facto, se retirados do contexto deste apontamento, é de todo o acerto tal conclusão, em especial se destacarmos os termos Amália e João Brandão.

Amália e João Brandão? -  perguntar-se-á. Que raio é que têm a ver, ou em comum, um com o outro?

De facto nada. Apenas o facto de serem portugueses e beirões. Mas isso, sendo destino de milhões e milhões, acaba, pela banalidade, de ser em absoluto irrelevante.

Então qual a razão?

Ora, no texto abaixo estará a resposta. Vamos então por partes:

 

Aqui há uns anos tive o grande privilégio (um grande privilégio) de ter entrevistado Amália Rodrigues. Sobre esta entrevista já a referenciei neste “Portal” e os fãs de Amália, se interessados, têm à sua leitura acesso no espaço “Opiniões”.

O que me leva a trazê-la a este apontamento é tão só um dos momentos dela retirado e que traduz um sentimento de Amália, uma sua curiosa forma de sentir e dizer:

 

 «Pelo que me dá a perceber é muito dogmática nas suas próprias verdades…

 

-(Amália sorri) - Há uns vinte anos fiz uns versos que diziam: “Ai de mim que vou vivendo/Ai, este mundo de desespero/Ai, tudo o que não entendo/Ai, o que entendo e não quero.” Julgo que aqui digo tudo. Aquilo que eu não quero entender não vale a pena eu não entendo. Dizem que a Severa morreu de uma ingestão de borrachos. Para mim, morreu foi de amores. Mas que não, que morreu foi de indigestão. Não gosto! Para mim o bonito é ter morrido de amores…»

 

Passemos agora ao conto de Joaquim Leitão, no qual é destacado o temor de João Brandão perante a valentia, coragem e envergadura física de um vilacovense de nome João Antunes. Lê-se, em algumas passagens, do conto:

 

«De feito, João Antunes era parelho! Se não tinha exactamente tanto de largura como de altura, as pernas de caçador, o tronco, os braços, a própria máscara repassavam a força e a maleabilidade grega. Ágil como a luz, quanta vez ganhara a aposta de, marinhando pela cantaria da Misericórdia ir lá acima tocar a campa!»

 

«…andava João Antunes à caça, ouviu tropido. Atentou. Adiante do cavalo, umas centenas de metros, fugia espavoridamente um homem. Reconheceu: no cavaleiro João Brandão; no perseguido, um rapaz de Vila Cova – Manuel da Cruz. Num pulo de galgo, desceu, e, estribando-se na encosta, gritou:

-Tem-te Manel, que agora estou cá eu!

João Brandão dando pelo vozeamento desandou a galope.»

 

«-E se ele desse cabo do ti João?

-De mim…? De mim…?

-Às vezes… ele é tão mau!...

-A mim não mata ele! – trovejou João Antunes – Só se me apanhar a dormir, como os romanos ao Viriato. De frente, rachava-o eu primeiro. Nem se fazia preciso esta… - e batia na arma, a escumar fúria.»

 

Que há de verdade nesta ficção? Historiadores, e há-os da vida e obra de João Brandão, contestarão em absoluto o amedrontamento de João Brandão perante o nosso João Antunes. E quanto eu respeito a dedicação, mérito e trabalho dos que pelo estudo e rigor da história se entregam.

Mas aqui mais não quero ser do que um mero vilacovense. E parafraseando Amália também eu digo:

“Aquilo que eu não quero entender não vale a pena eu não entendo. O bonito é João Antunes ter atemorizado João Brandão.”

 

Nuno Espinal   

 

 


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
Caro Sr. Avelar: obrigado pelo seu comentário. Apr...
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Demasiado jovem para partir.Que descanse em paz.
Sentidos pêsames a toda a família. Muita força e c...
Boa tarde. Qual é o valor em ml de 2/5 de azeite?
Muito bem! Gostei. Contudo falta referir muitos pe...
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9



29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds