publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 28 Março , 2009, 11:19

 Quinzinho

 

 

Amiúde surgem-me recordações dos tempos da “malta”…

Umas mais irreverentes, outras de acento a prevalecer o cómico, outras de feição mais afectiva ou, ainda, em misto de tudo isto, mescla de sorriso, gargalhada e “lágrimita” ao canto do olho…

Esta, por exemplo.

Envolve o meu avô, e eis aqui, para mim, o lado sentimentalão da “estória”. Chamavam-lhe, por deferência e carinho, o Quinzinho, e sempre foi este o tratamento, fosse em criança, ou pela vida ou na própria velhice. Era um homem bom, cordato, discreto, tolerante.

Ora a “malta” tinha por hábito, de quando em quando, organizar umas patuscadas. Umas "legalmente" organizadas, com conhecimento, aquiescência e oferendas da família. Mas essas, muito raras, como que sabiam a pouco. As interessantes, as de supremo gozo, eram as concretizadas à sorrelfa, com géneros pilhados, indistintamente das suas natureza e proveniência. E quanto mais habilidade e perícia para a pilhagem melhor nos saberia o pitéu.

Foi assim que um dia me coube, na tarefa do surripianço, a “palmada” ao imprescindível tinto. Não me fiz de modas. Na adega da casa (loja como é uso aqui na zona designar-se) havia uns pipos com um vinho de estalo. À hora, que me pareceu mais adequada, entrei na loja e, com os maiores cuidados, enchi um garrafão de cinco litros, que logo ali já me sabia como o mais divinal néctar dos deuses. Troféu em guarda e eis-me à porta da loja a espiolhar vistas, a recatar-me de percalços. Caminho livre, pus-me em marcha, ar triunfante, feliz da vida, tudo a correr de feição. Foi então que me surgiu, a meio da calçada, vindo do chafariz de S. Sebastião, o meu avô. Fiquei estarrecido, mesmo sem jeito. E agora? Lá me tentei recompor e atabalhoadamente escondi, como pude, o garrafão atrás das costas. E a pergunta fatalmente veio.

-O que é que levas aí, rapaz?

 -Nada avô…é a telefonia de pilhas…vou ouvir música c’a malta…

-Ah, é a telefonia…já vi. E essa é das tais que dá uma música que vos põe todos a cantar num instante. Vai-te lá embora e tenham juízo. E olha, que a tua avó não o saiba!...

 

Era assim o meu avô. E deixem-me que lhe brinde esta “estorieta”. Postumamente, com a tal lagrimazita ao canto do olho.

 

Nuno Espinal

 


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


22
24

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds