publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 24 Maio , 2008, 03:11

 

Voltámos à velha Casa do Forno, onde outrora o “ti” Albino Forneiro labutava na cozedura da broa. Ainda hoje a casa conserva as paredes de pedra de xisto entremeadas com pedregulhos de granito.
Entrámos.
Que mundo de memórias. Lá estavam o fragoeiro, pau comprido com que se vassourava ou varriscava o forno, o rodo, com que se puxavam as brasas, e a típica e imprescindível pá, para se retirarem as broas e outros assados e cozeduras.
Ainda lá se conservam as velhas rodas que solavancavam a carroça, pejadinha de mato, que a ti Áurea puxava com vigor de braços e mãos de ferro.
E há quem recorde a cruz com que se rasgava a massa já tendida, depois a broa já pronta a entrar no forno, e a velha reza a antecipar e a abençoar a cozedura:
 
S. Vicente te acrescente
S. Lever te levede
Nossa Senhora da Conceição
Finte o meu Pão
 
 
(Obrigado ao Sr. José Martinho, proprietário da Casa do Forno)
 
 
 
Nuno Espinal

 


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds