publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 07 Julho , 2020, 02:36

 

IMG_6194 (2).JPG

"Publicamos um poema de Célia Celestino, um poema que nos remete a uma atitude avaliadora de uma filosofia de um quotidiano. Contudo, no final, uma simples frase e o poema ganha uma outra dimensão. O poema transmuda-se para um poema de amor."

 

 

A nossa passagem é curta e o nosso comportamento, ocasionalmente, moldado pelas circunstâncias.

Calculamos cada gesto, cada som, cada movimento. 

Mas é preciso caminhar. Olhar em frente, e não ter medo do que vem, não ter medo de ser, não ter medo de falar, de rir, de querer e desejar intensamente o impossível.

Mas é impossível porquê?

Temos de seguir o nosso instinto, sem preconceito.

Ter tudo o que desejamos é inatingível, mas por vezes não sabemos, ou não queremos ver o que está mesmo à nossa frente.

Mas eu vejo-te a ti.

 

Poema de Célia Celestino

Exegese e foto do poema: Nuno Espinal


comentários recentes
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Demasiado jovem para partir.Que descanse em paz.
Sentidos pêsames a toda a família. Muita força e c...
Boa tarde. Qual é o valor em ml de 2/5 de azeite?
Muito bem! Gostei. Contudo falta referir muitos pe...
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
Julho 2020
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16

19
20
22
23
24
25

26


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds