publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 28 Maio , 2020, 15:13

IMG_6802 (1).JPG

Há um certo amorfismo e apatia na reação dos vilacovenses quanto a ações em proveito da sua própria “terra”. Um ou outro lampejo ocasional de realizações, em prol da aldeia, não refutam esta ideia.

Prenuncia-se até uma certa irreversibilidade deste estado anímico, porque não se vislumbram sinais de um número significativo de vontades reagentes. Veja-se a dificuldade crescente, de ano para ano, na elaboração de listas candidatas a Órgãos Sociais das Instituições.  

Mas, ainda assim, há um sentir a “terra”, um sentir a sua Vila Cova que, sem chauvinismos, é demonstrativo de uma identidade, de um apego à tradição, que muito se manifesta em atos religiosos.

Em outra vertente é a “Flor do Alva” que suscita a grande ligação emocional dos vilacovenses à sua Vila Cova.

Atente-se na atitude, que é uma tradição, dos vilacovenses sempre que a Filarmónica passa em arruada: saúdam-na de pé, num ato reverencial de grande significado.  

A Flor do Alva é a menina bonita, a grande bandeira de Vila Cova para os vilacovenses.  

Ora, o espetro do fim da banda é uma realidade. E já o é há tempos. Temida pelos vilacovenses, esta eventualidade para não se concretizar, embora sem garantia absoluta, implica da parte dirigente da Filarmónica um forte empenhamento na captação, manutenção de músicos e na gestão dos recursos financeiros.

Apesar das dificuldades, tem a atual Direção da Filarmónica superado adversidades, mantendo um apreciável número de filarmónicos e, com muito trabalho e dedicação, amealhado euros que, adicionados a outras receitas, têm proporcionado uma situação financeira confortável.

Só que, o inesperado Codiv-19 revirou a situação de estabilidade. Sem receitas, sem contratos para atuações, com despesas a permanecerem, a Sociedade Filarmónica Flor do Alva passa por um momento de crise.

Mas emerge aqui a pessoa de Margarida Fernandes. Lutadora, dedicada, empenhada, a Presidente da Direção da Flor do Alva não vira costas ao combate que o atual momento de crise reclama. Para já, ao que disse, parece assegurada a continuidade dos filarmónicos, “que já há algum tempo não se reúnem, por falta de ensaios e atuações.” Quanto às finanças, segundo Margarida Fernandes, “as coisas podem vir a complicar-se, porque as receitas estão, naquilo que é o seu maior recurso, dependentes dos contratos referentes às presenças em festas no verão e de serviços de restauração nas festas organizadas pela União de Freguesias. E as despesas continuam, tanto as normais, como as que são especiais. Das especiais cito esta, como exemplo: as despesas do novo fardamento, encomendado antes da crise do corona vírus.”

E se o vírus persistir e as condições que geram receitas prosseguirem inalteradas?

O espírito lutador de Margarida Fernandes sobressai, fazendo jus à sua excecionalidade na notória ausência de afã regionalista, de entre os vilacovenses.

“Não vamos permitir que a Flor do Alva sucumba à crise provocada pelo vírus. Outros argumentos hão de ser postos em prática. Vamos vencer!”

 

 

Nuno Espinal


comentários recentes
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Caro Sr. Avelar: obrigado pelo seu comentário. Apr...
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Maio 2020
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
15
16

18
19
20
21
22

24
26
27
29
30



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds