publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 29 Outubro , 2014, 23:18

É do foro popular a ligação do “sagrado” à religiosidade. Mas, o sagrado, em conceito amplo, não se esgota estritamente no religioso. Existem espaços, objetos, momentos da nossa história de vida a que nós atribuímos uma “sacralização”, por qualidades e razões que são nossas, que nos são peculiares. É evidente que este “sagrado profano” diverge do “sagrado religioso”, quanto mais não seja no tempo e na dimensão, já que o primeiro é pessoal e efémero, contrariamente à temporalidade milenar e tendencialmente eterna do sagrado religioso e ao sentimento pessoal e coletivo com que é venerado. Este encerra uma dimensão sublime na sua transcendência ao divino.

Declaradas as devidas diferenças, já me sobram à vontade e coragem para, de um meus autoconstruídos “sagrados”, falar. Precisamente o da “Fonte dos Amores” em Vila Cova. Não será a primeira vez a que a ele me refiro neste nosso “Miradouro”. Mas, para os que dele nada sabem aqui vai um breve historiar.

À Fonte dos Amores, naqueles anos “60”, só se lhe acedia por barco. Saídos do Salgueiral em direção ao Porto de Avô, umas remadas acima da Ponte, e na margem esquerda do nosso idílico Alva, lá estava aquele recatado pedacinho, onde esguichava um fio de água. Água fresca e purinha. Mas, não só. Dizia-se que tinha efeitos superiores. Ou seja, quem dela bebesse, era certo e sabido, se com a namorada (ou namorado) se fizesse acompanhar, ficaria trespassado pelas setas do cupido para toda a vida. Ora aí está! O mito e o rito associados à sacralização do espaço.

Há dias, em conversa com um dos da “Malta”, recordávamos tempos de juventude nas férias escolares passadas em Vila Cova. E nas passeatas da memória, lá fomos até à Fonte dos Amores.

-Gostava de lá voltar, beber umas goladas daquela água, dizia-me ele. Mas ouvi dizer que aquilo está inacessível, continuou. Mato e mais mato

-Mas o que é que lá ias fazer? retorqui-lhe. Enamoramentos nesta altura?

-Isso não, respondeu-me. De amores estamos falados…é viagem feita e sem retorno… mas, sabes? Tenho consagrado na memória aquele espaço.

Fizemos um silêncio, interrompido pelas palavras desfraldadas que lhe ouvi:

-Fonte dos Amores? Amores já se foram e a Fonte será que ainda existe?

Novo silêncio. Até que:

-Nesta nossa atual etapa da vida, talvez o melhor seja “Fonte das Saudades Sagradas”!

 

Nuno Espinal


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Outubro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

14
16
17
18

21
23
25

31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds