publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 11 Agosto , 2014, 19:20

 

 

Um pouco por todo o país tem ocorrido a data  dos “quinhentos anos” da atribuição de carta de foral pelo Rei Dom Manuel I.

Ora, diz-se foral, ou carta de foral, ao diploma que, desde o século XII, era concedido pelo rei, ou por um senhorio laico ou eclesiástico, a determinada terra, contendo normas que regulavam as relações dos seus povoadores ou habitantes entre si e destes com a entidade outorgante.

Ainda que inicialmente não se vislumbrassem grandes diferenças entre as cartas concedidas pelo rei e as outorgadas pelos senhores, fossem senhorios ou eclesiásticos, contudo, já nos séculos XIII e XIV, a concessão de foral pelo próprio rei pressupunha um ato libertador das populações relativamente às leis e justiça senhorial.

Entretanto, ao longo do século XV, o fortalecimento do poder real e das leis gerais conduziu ao declínio das instituições concelhias, o que provocou uma perda da anterior importância dos forais, ficando reduzidos a meras normas aplicadores de impostos.

É com a reforma de Dom Manuel I que os forais retornam a uma atualização dos privilégios e dos encargos das localidades. A reforma abrangeu 596 forais, os chamados “Forais Novos”, entre os quais se contam os de Vila Cova, Coja e Avô, que foram outorgados pelo Rei em 1514.

É nesta evocação histórica que, na nossa vizinha aldeia de Avô, foram comemorados os quinhentos anos da concessão à localidade do foral pelo nosso rei Dom Manuel I, o que originou um conjunto de manifestações de recriação da época, que ontem teve, num cortejo com dezenas de figurantes com trajes a dramatizarem costumes e usos de então, o ponto mais alto.

A evocação terminou com a população residente e muitos forasteiros a  assistirem, no Largo do Pelourinho, à cerimónia que recriou a entrega do foral pelo rei Dom Manuel a autoridades da vila de Avô.

De facto, momentos vividos em Avô de grande significado histórico e, indiscutivelmente, promotores da identidade da povoação.

E em Vila Cova de Alva?

A primeira notícia que há conhecimento, sobre a aquisição de um foral, refere o que foi concedido pelo Bispo de Coimbra, D. Estêvão Anes Brochado, entre os anos de 1312 e 1314, foral este confirmado por D. João Galvão, Bispo de Coimbra, a 14 de Janeiro de 1471.

Coma a reforma que se batizou pelo seu próprio nome, Dom Manuel I confirmou de novo este foral, em 22 de Setembro de 1514.

Ora, estamos a pouco mais de um mês para os “500 anos” da atribuição do foral manuelino.

E fica a questão, formulada a quem de direito. Não está prevista nenhuma evocação, por muito simples que seja, desta data de tão grande valor histórico para Vila Cova de Alva?

 

Nuno Espinal

 

  


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Agosto 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13

17
19
20
22

25

31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds