publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 27 Abril , 2014, 23:33

 

Alguns dos da Malta:

Da esquerda para a direita (em pé): Toneca (António Gabriel de Almeida) José Luís, Quim Espinal, Manuel António Fonseca (meio agaichado), Nuno Espinal, Lisboa Nunes e Abílio Vicente.

Sentados:Tó Cruz, Maria Augusta Vicente, Ana Kaupers e Elsa Oliveira.

                       

Recordo-me bem.

Num setembro, passados que são uns cinquenta anos, numa tarde já com o sol a amainar, a “malta” em força, ali nas cercaduras do café do Vasco. Ela também lá estava. E que paixão, meu Deus, que paixão! Paixão recíproca, sabia-o. O enamoramento em crescendo, trocas prolongadas de olhares, mas…

Pois é! A coragem para a declaração, isso é que não atava nem desatava. Raios partissem esta minha timidez! Bem utilizava os meus mais sofisticados processos  de sedução. “Bealcream” no cabelo, camisa atada na cintura, gola levantada à St. Tropez, popa à Elvis, enfim, todos os tiques da moda. Mas, a declaração que se impunha, o mote para o comprometimento, aí é que me faltava a coragem.

Foi então que, mesmo ali a jeito, uma velha bicicleta. Oportunidade de ouro para lhe mostrar uma habilidade.

-“Posso dar uma volta?”

- “Vá, mas tenha cuidado, olhe que só agora é que aprendeu a andar…”, aquiesceu o dono da velha pasteleira com ar apreensivo.

Qual quê? Sentia-me o maior, um verdadeiro ás do “tour”. Dei umas pedaladas até às tílias, fiz inversão, de quando em quando pé no chão, mais umas pedaladas, passei frente à malta, tudo a correr em grande e ela a ver. Ah, grande jogada esta, sentia-me a ganhar mais uns pontos, a paixão dela ia recrudescer. Continuei a marcha, nova inversão, aproximei-me de novo da malta, a famosa curva ao café do Vasco e…

Inesperadamente surge-me em sentido contrário um carro de bois. Oh raio, qual curva qual quê! Fui a direito, atrapalhei-me, bicicleta aos esses, “Ti” Augusto Russo com a vara dos bois em riste, e pumba! Nunca vi um corno de bois tão perto dos olhos. Eu e bicicleta no chão, só a canga nos fez parar.

Que barracada! E logo a malta ali a rir a bandeiras despregadas, grande humilhação, que gaita, todo o processo de enamoramento a tornar à estaca zero.

Foi então que ela, não muito tempo depois, surge com algodão, álcool e mercuriocromo. Com todo o cuidado e doçura desinfectou-me as feridas. Ardor? Ardor e muito, mas não dos arranhões mas sim do coração. De tal modo que ganhei toda a coragem do mundo e lhe disse:

-Sabes que gosto muito de ti!

-Eu também gosto muito de ti, respondeu-me.

Ah, bendito trambolhão!

 

 

Nuno Espinal


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Abril 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

16

25

28
29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds