publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 30 Abril , 2014, 00:29

Os Gorgulhos/Teatro na Serra é um grupo de teatro nascido há bem pouco tempo. Fez uma primeira apresentação na altura da Páscoa, na biblioteca de Arganil e para já a sua vocação é o teatro dedicado às crianças. Vão estar em Vila Cova, na Mostra de Sabores e Lavores, na apresentação de uma peça com o espantoso título de “Ax’isto Muito Estranho”.

Posto isto, passemos à apresentação dos seus exclusivos componentes: Silvino Lopes e Fernanda Santana. Vivem os dois, há cerca de um ano, em Anseriz. Companheiros na vida, traçou-lhes o destino a companhia nas incursões do teatro. Ele Silvino, faz textos que ambos interpretam como atores. A Fernanda, como atriz, tem experiência a rodos, já que em tempos, no TIL, acumulou anos como profissional. O Silvino, esse, tem talento para distribuir e dar. Foi e é ator, foi e é músico, faz poesia e agora aventurou-se como autor de textos de teatro.

Por isso meninos de Vila Cova, Anseriz, Vinhó e Casal de S. João: Comecem já a avisar os vossos pais. Dia 17 de maio, sábado, na ex Igreja da Misericórdia de Vila Cova, a partir das 16 horas e 30 minutos, os Gorgulhos vão-vos fazer mesmo “gorgulhar”.

Compareçam!

 

Nuno Espinal    


publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 27 Abril , 2014, 23:33

 

Alguns dos da Malta:

Da esquerda para a direita (em pé): Toneca (António Gabriel de Almeida) José Luís, Quim Espinal, Manuel António Fonseca (meio agaichado), Nuno Espinal, Lisboa Nunes e Abílio Vicente.

Sentados:Tó Cruz, Maria Augusta Vicente, Ana Kaupers e Elsa Oliveira.

                       

Recordo-me bem.

Num setembro, passados que são uns cinquenta anos, numa tarde já com o sol a amainar, a “malta” em força, ali nas cercaduras do café do Vasco. Ela também lá estava. E que paixão, meu Deus, que paixão! Paixão recíproca, sabia-o. O enamoramento em crescendo, trocas prolongadas de olhares, mas…

Pois é! A coragem para a declaração, isso é que não atava nem desatava. Raios partissem esta minha timidez! Bem utilizava os meus mais sofisticados processos  de sedução. “Bealcream” no cabelo, camisa atada na cintura, gola levantada à St. Tropez, popa à Elvis, enfim, todos os tiques da moda. Mas, a declaração que se impunha, o mote para o comprometimento, aí é que me faltava a coragem.

Foi então que, mesmo ali a jeito, uma velha bicicleta. Oportunidade de ouro para lhe mostrar uma habilidade.

-“Posso dar uma volta?”

- “Vá, mas tenha cuidado, olhe que só agora é que aprendeu a andar…”, aquiesceu o dono da velha pasteleira com ar apreensivo.

Qual quê? Sentia-me o maior, um verdadeiro ás do “tour”. Dei umas pedaladas até às tílias, fiz inversão, de quando em quando pé no chão, mais umas pedaladas, passei frente à malta, tudo a correr em grande e ela a ver. Ah, grande jogada esta, sentia-me a ganhar mais uns pontos, a paixão dela ia recrudescer. Continuei a marcha, nova inversão, aproximei-me de novo da malta, a famosa curva ao café do Vasco e…

Inesperadamente surge-me em sentido contrário um carro de bois. Oh raio, qual curva qual quê! Fui a direito, atrapalhei-me, bicicleta aos esses, “Ti” Augusto Russo com a vara dos bois em riste, e pumba! Nunca vi um corno de bois tão perto dos olhos. Eu e bicicleta no chão, só a canga nos fez parar.

Que barracada! E logo a malta ali a rir a bandeiras despregadas, grande humilhação, que gaita, todo o processo de enamoramento a tornar à estaca zero.

Foi então que ela, não muito tempo depois, surge com algodão, álcool e mercuriocromo. Com todo o cuidado e doçura desinfectou-me as feridas. Ardor? Ardor e muito, mas não dos arranhões mas sim do coração. De tal modo que ganhei toda a coragem do mundo e lhe disse:

-Sabes que gosto muito de ti!

-Eu também gosto muito de ti, respondeu-me.

Ah, bendito trambolhão!

 

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 26 Abril , 2014, 23:58

 

A União das Freguesias de Vila Cova de Alva e de Anseriz apresentará, em princípio, na altura em que decorrerá a Mostra de Lavores e Sabores, um site informativo sobre aspetos relevantes das suas localidades, nomeadamente Vila Cova, Anseriz, Vinhó e Casal de S. João. O site retratará a gastronomia da região, monumentos, locais de interesse, em especial os de atração turística, apontamentos históricos, fotos paisagísticas, festas, manifestações religiosas e outros apontamentos que retratem manifestações populares, como usos e costumes.  

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 24 Abril , 2014, 22:51

 

Chegou mais um Abril e a liberdade

Zarpou dentro de nós como um veleiro.

Já não se vê, mas ficou a saudade.

Abril já se perdeu no nevoeiro.

 

Chegou mais um Abril. Nasce de novo

A esperança e a vida como no primeiro.

Mas tudo foi tirado a este povo.

Abril já se perdeu no nevoeiro.

 

Mas a vontade cresce e acalenta

A fúria de mudar. E o povo inteiro,

Cansado de sofrer, ergue-se e tenta

Fazer Abril, de novo, soalheiro.

 

Silvino Lopes

 

 

 

Havia o peso d’um penedo medonho

Que se desfez.

Depois floriram cravos.

Lembras-te?

Não, não era sonho.

E tanto que nos rimos e cantámos e dançámos!

-Que venha o futuro, dizias.

E mais, disseste mais:

-Abril, desejos mil!

Mas, passaram os anos, amigo, passaram os anos.

Sentes um travo amargo, eu sei.

Mas bendizemos ainda este latejo de Liberdade!

Que a brindemos sempre, amigo.

Que a brindemos sempre!

E que não lhe invoquemos a saudade.

 

Nuno Espinal

 

 

Chegado o fim do dia

A noite aos poucos cobria

Com o seu manto escuro

Escondendo a alegria,

Escondendo o futuro

 

Há sombras em movimento

Aguardando esse momento

Em que o povo descansa

E o mal avança

Feio e pestilento

 

São as mentiras contadas

Histórias de contos de fadas

Tantas vezes repetidas

Acabam esquecidas

De tão inventadas

 

E o povo dorme sereno

Sem perceber o veneno

Que pela noite se espalha

Azeda e retalha

O mel de Sileno

 

Silvino Lopes


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 23 Abril , 2014, 22:37

Da Concórdia...

 

 

 

E da discórdia... (Santuário da Senhora das Preces)

 

 

 

 

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 22 Abril , 2014, 19:15

 

Realizou-se ontem, em Vinhó, a festa tradicional da segunda-feira sequente ao domingo de Páscoa, em que se celebram Nossa Senhora dos Remédios e Santo Antão.

A Filarmónica "Flor do Alva" fez o acompanhamento da Procissão e patrocinou um concerto da parte da tarde.

 

(Fotos Manuel Fernandes)

 

 

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 21 Abril , 2014, 21:17

 

 

Ontem, domingo de Páscoa em Vila Cova, nos desenvolvimentos da Missa e Procissão, houve momentos que verdadeiramente tipificaram “tempos de hoje”, na conceção da imagem de uma adequada e renovada da Igreja. Os momentos foram protagonizados pelo Padre Rodolfo Leite, como principal interlocutor de um diálogo, que só na aparência se definiria como monólogo.

Passemos à concretização:

Em plena homilia, uma criança furta-se à guarda da mãe (o Guilherme) e não se inibe de uma correria no sobrado central da Igreja. Há quem intente um gesto de cobro à situação, quando o Padre Rodolfo logo intervém e diz: “Deixem-no estar! Tomem é atenção ao que eu digo. Sabem? As crianças reagem por mimetismo.

Alguns talvez não tenham entendido a expressão e terão surdamente equacionado: Mimetismo? Mas que é isso?

Padre Rodolfo percebendo-o, explica: “As crianças tendem a imitar os adultos, tomam os adultos como modelos. Se os adultos se comportam com gestos apalhaçados, amacacados, as crianças imitam-nos e fazem os mesmos gestos. Se os adultos demonstram uma atitude serena as crianças acabam por se induzir nessa atitude”. 

E o garoto lá permanece numa ou outra correria, sem que perturbe o recato que a liturgia reclama.

Ainda no contexto da homilia, o Padre Rodolfo fala em minimalismo. De novo a perceção de alguma ignorância sobre a palavra. E a explicação vem logo a seguir: “Dou-vos um exemplo”, diz. “Minimalismo é assim como querer trabalhar pouco e querer ganhar muito”.

Estes flashes de discurso são elucidativos de uma atitude. É evidente que não retrato aqui aquilo que na pregação do Padre Rodolfo será a essência da religião. Mas falo apenas de um modo. O modo de uma prática que revela uma atitude. Atitude que cativa, que atrai. Decerto que, por isso, as manifestações religiosas em Vila Cova, nestes dias de Páscoa, tiveram a adesão de tantos populares.

Mas a atitude, no Padre Rodolfo, não é só a palavra, é também o gesto. Já terminada a Missa e quando se apronta a formatura da Procissão, o Padre Rodolfo toma a criança (o Guilherme) ao colo e quando nesse mesmo instante o enquadro na objetiva da câmara fotográfica, diz-me de imediato: Diga-me lá se não estou tal e qual o Santo António!

Os que o ouviram, garanto-vos, não evitaram o sorriso.

Já depois, no perímetro do Adro, o andor da Senhora da Alegria cumpria uma volta de trajeto. E raios me partam se não é que me pareceu que Nossa Senhora se sorria também?

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 20 Abril , 2014, 21:56

A cerimónia religiosa do domingo de Páscoa em Vila Cova incluiu a liturgia na Igreja Matriz, que estava repleta de fiéis, e procissão que circundou o Adro e em que foi transportado o andor da Senhora da Alegria, trajada, em alusão ao dia, de manto branco.

A Missa teve um ato inédito, já que se iniciou com um cortejo, antecedido de oração, à entrada da Igreja.

Um grupo componentes da Flor do Alva, dirigido por Ricardo Calado, acompanhou vocal e musicalmente toda a Missa. A procissão foi marcada pela cadência de uma peça musical executada pela Filarmónica.

Todo o desenvolvimento da cerimónia religiosa foi presidido pelo Padre Rodolfo Leite.

 

Nuno Espinal

 

 

 

 

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 19 Abril , 2014, 01:39

A Procissão da Senhora da Soledade terá sido uma das manifestações religiosas mais participadas e sentidas das dos últimos anos realizadas em Vila Cova.

Muito povo presente, apesar da noite não ser das mais convidativas, já que chuviscava e a temperatura do ar estava uns graus aquém das dos últimos dias.

Um silêncio sepulcral acompanhou todo o cortejo, no qual participaram as Irmandades de Vila Cova e Vinhó.

Nas tílias, a procissão teve uma paragem, para a celebração de uma cerimónia em que foi invocado o sentido da paixão e morte de Cristo, tendo a filarmónica Flor do Alva, que ali aguardava o cortejo, tocado uma marcha fúnebre e acompanhado os fiéis no cântico das “Avé Marias”.

Toda a cerimónia foi presidida, na excelência que se lhe reconhece, pelo Sr. Padre Rodolfo Leite.

 

Nuno Espinal

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 18 Abril , 2014, 07:17


comentários recentes
Adorei esta peça, obrigada por esta comedia e por ...
Faz sentido esta ideia da Aprendizagem Cooperativa...
sentimentos a sua família. dalila trindade costa p...
Parabéns à Flor do Alva pelo centenário que acaba ...
Visão esclarecida e preocupada de um preclaro cida...
parabéns Dª Lucília silva tudo de bom
também para si um bom ano novo senhor Nuno Espinal...
Obrigado, um bom ano também para si, Um grande abr...
Partilho, caro Espinal. Um bom ano, amigo
Na minha aldeia - Torroselo -, o leilão de oferend...
Abril 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

16

25

28
29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds