publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 20 Dezembro , 2012, 21:54
 

Vilacovense  0    Penalva  1

 

O Vilacovense, líder de série, recebeu no passado Domingo a equipa de Penalva, que vinha rotulada com boas credenciais e capaz de discutir o jogo, apesar da sua condição de forasteira. E tanto que assim foi que, durante a primeira parte, a equipa de Penalva demonstrou algum ascendente, de resto comprovado pelo golo solitário que marcou.

Na segunda parte o Vilacovense apresentou-se pronto a dar a volta ao resultado, e em condições normais é de crer que tal iria acontecer. Só que os jogadores do Penalva, numa manifestação de anti jogo como poucas vezes se terá visto, passaram o tempo todo a simular lesões, com permanentes interrupções de jogo, a lançarem-se ao chão ao mínimo toque de um adversário, tudo isto com a complacência da equipa de arbitragem. Este comportamento enervou os jogadores do Vilacovense que, apesar de tudo, foram aguentando estoicamente tanto quanto puderam, com o permanente objetivo de alcançar o golo.

Mas o que ainda é mais censurável foi a atitude racista de alguns jogadores da equipa visitante, que insultaram várias vezes jogadores do Vilacovense de tez africana, chamando-lhes “porcos e pretos”.

Com algum descontrolo emocional, o jogador Nick, farto de ser insultado, reagiu com desforço físico e a partir daí houve sururu entre os jogadores das duas equipas, o que em rescaldo provocou a expulsão de Nick, Luís Costa e Wilson, todos do Vilacovense, contra uma expulsão apenas por banda dos provocadores.

O Vilacovense pode não ter realizado um jogo ao nível do que nos tem habituado, mas, em abono da verdade, pelas condições antidesportivas a que foi sujeito, dificilmente se poderia esperar melhor.

 

Constituição da equipa:

Guarda-Redes: Flávio Ferreira;

Defesas: Kikas (substituído aos 40 Min por Fábio), António Cruz (capitão), Wilson e Jorge Sousa (sai aos 75 min por Ricardo Nunes);

Médios: Jorge Reis, Luís Costa (substituído aos 65 min por Ricardo Santos), Moniz, Filipe Tavares (substituído aos 65 min por João Correia);

Avançado: Nick.

 

Suplentes não Utilizados: Nelson Amaral, Renato Tavares, Bruno Santos Treinador: Rui Mota.

Treinador Adjunto: João Pedro.

 

Delegado: Rui Lourenço.

Massagista: Fernando Figueiredo.

 

Dia 6 de Janeiro, (até lá há uma folga nos jogos do Inatel) o Vilacovense desloca-se a Pomares para defrontar a equipa da casa, jogo que integra uma jornada que encerrará a primeira volta do campeonato.

 

Fábio Santos.

Foto: Bruno Santos.

 
 

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 20 Dezembro , 2012, 21:48

Zé Conde, hoje locutor da Rádio Boa Nova e grande amigo de Vila Cova, enviou-nos um cartaz que publicita uma festa a realizar-se em Avô, com grandes nomes do mundo do espetáculo.

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 19 Dezembro , 2012, 19:55

Chamavam-lhe o Pingalim. O porquê da alcunha não o sei. Nem tão pouco lhe sei o nome, o verdadeiro. O que sei é que sempre que dele falavam era por Pingalim que o tratavam. E pronto! É assim que para esta historia fica: o Pingalim.

Lembro-me muito vagamente do Pingalim. Mas, ainda assim, recordo-lhe bem a figura, a figura grotesca, ampliada por uma gaguez que o caricaturava nas jucosas zombarias. E depois, para mais, aquela dislaxia, aquele falar tão burlesco. Cão era ão, casa era asa, coisa era oisa e por aí fora.

Partilhava a pobreza, a muita pobreza, com a Rosa, a “Ti” Rosa, companheira de tantos anos e de sempre.

Gostava, e bem, do seu copo, e naqueles tempos, homem que fosse, quem não gostava?

Pois um dia o nosso bom Pingalim, em cavaqueira de taberna, já um tanto entornado, tornou-se vulnerável à esparrela da chacota.

E já o tempo caminhava com umas boas rodadas de copos de três quando há um que lhe atira:

-“ Oh Pingalim, estás a ficar abrasado. Logo à noite com a Rosa aquilo é que vai ser!…”

E o Pingalim, copo ao alto, logo lhe responde:

-“Isso eria eu. Mas a mi ...a minha Rosa já não tem...a…a… alôr…”

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 18 Dezembro , 2012, 00:38

 

O maestro da Orquestra Clássica do Centro, Virgílio Caseiro, subiu ao palco, cortejado pelos habituais aplausos e logo se dirigiu à assistência com estas palavras:

Estou impressionado por ver tanta gente a assistir a este concerto e fico esmagado por ver tantos coralistas, que vou ter a honra de dirigir.

De facto, o Maestro tinha toda a razão. O Pavilhão Multiusos “Mário Mexia” com os lugares de plateia e bancadas preenchidos  e no palco a orquestra pronta acompanhar cerca de dez Grupos Corais, que ocupavam toda a bancada topo, quase todos de Coimbra, que perfariam uns cerca de trezentos coralistas.

O Concerto “Natal na Cidade” agarrou, do princípio ao fim, a atenta assistência.

Um dos grupos corais, com uns quarenta elementos, tinha só este nome: Coro da Pequenas Vozes da Figueira da Figueira. Jovens quase todos e dos 12 aos 14 anos.

Já em “fim de festa” o Maestro anunciou o “Adeste Fideles”, composição atribuída ao nosso D. João IV, muito ouvida no Natal. A orquestra e todos os grupos corais iriam interpretá-la. Mas, o Maestro tinha ainda uma surpresa. Convidou todas as crianças, presentes no Pavilhão a também participarem na interpretação do Adeste Fidelis, desde que o soubessem cantar. E, então, não foi que surgiram de todo o lado cerca de cinquenta ou mais crianças? E até solfejaram a melodia, a pedido do Maestro, com vozes afinadas e sem falharem uma nota.

Pois é! O maestro, ufano, não se fez rogado. E disse empolgado, protagonizando o saber musical das crianças: Sabem porque é que acredito no futuro? A resposta está aqui!”

 

Salvas as devidas proporções, lembrei-me da escola de música da Flor do Alva, e da sua aposta na educação musical de crianças da freguesia e região. Ora, domingo, para a Flor do Alva, vêm aí as famigeradas eleições. Segunda ronda.

E quanto eu quero acreditar no futuro!…

 

Nuno Espinal

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 18 Dezembro , 2012, 00:38

 

O maestro da Orquestra Clássica do Centro, Virgílio Caseiro, subiu ao palco, cortejado pelos habituais aplausos e logo se dirigiu à assistência com estas palavras:

Estou impressionado por ver tanta gente a assistir a este concerto e fico esmagado por ver tantos coralistas, que vou ter a honra de dirigir.

De facto, o Maestro tinha toda a razão. O Pavilhão Multiusos “Mário Mexia” com os lugares de plateia e bancadas preenchidos  e no palco a orquestra pronta acompanhar cerca de dez Grupos Corais, que ocupavam toda a bancada topo, quase todos de Coimbra, que perfariam uns cerca de trezentos coralistas.

O Concerto “Natal na Cidade” agarrou, do princípio ao fim, a atenta assistência.

Um dos grupos corais, com uns quarenta elementos, tinha só este nome: Coro da Pequenas Vozes da Figueira da Figueira. Jovens quase todos e dos 12 aos 14 anos.

Já em “fim de festa” o Maestro anunciou o “Adeste Fideles”, composição atribuída ao nosso D. João IV, muito ouvida no Natal. A orquestra e todos os grupos corais iriam interpretá-la. Mas, o Maestro tinha ainda uma surpresa. Convidou todas as crianças, presentes no Pavilhão a também participarem na interpretação do Adeste Fidelis, desde que o soubessem cantar. E, então, não foi que surgiram de todo o lado cerca de cinquenta ou mais crianças? E até solfejaram a melodia, a pedido do Maestro, com vozes afinadas e sem falharem uma nota.

Pois é! O maestro, ufano, não se fez rogado. E disse empolgado, protagonizando o saber musical das crianças: Sabem porque é que acredito no futuro? A resposta está aqui!”

 

Salvas as devidas proporções, lembrei-me da escola de música da Flor do Alva, e da sua aposta na educação musical de crianças da freguesia e região. Ora, domingo, para a Flor do Alva, vêm aí as famigeradas eleições. Segunda ronda.

E quanto eu quero acreditar no futuro!…

 

Nuno Espinal

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 16 Dezembro , 2012, 21:42

Arbitragem péssima a prejudicar o Vilacovense.

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 16 Dezembro , 2012, 15:08

 

Eis-nos em período de comemoração da quadra natalícia. Aqui, por Coimbra, as manifestações mais sonantes diversificam-se através da música, a mais apropriada para o natal, quer em atuações de grupos corais, quer em concertos de orquestras. Mas há outras manifestações, na área da cultura, que pela sua incidência, em contraste com outras cidades, tornam esta cidade algo especial.

Mas, vamos à outra vertente, a do consumismo, típica desta época. Menos compradores, muito menos, mas ainda assim a animarem os espaços mais “in” da cidade: O “Dolce Vita” e o “Fórum”.

Quanto às típicas visualizações dos tremelicares luminosos nas janelas dos apartamentos por enquanto não se vêem. Perto que já estamos do Natal duvido que apareçam. Reação anímica à crise?

Fico-me por aqui, no que respeita a esta minha urbe citadina, urbe desde sempre no coração.

Vou um dia destes de abalada até Vila Cova. Será lá que passarei a noite da consoada. Mas sem a missa do galo e sem o cepo a arder na Praça.

Mas o que mais me dói é a recordação de todos aqueles que comungaram à mesa, comigo e meu irmão, então crianças, as tão saborosas filhoses, o arroz doce e a tigelada. À exceção de nós dois - cruzes canhoto que nos mantenhamos por muitos anos - nenhum deles é vivo, daí que o Natal seja sempre, de há tempos atrás, para mim, uma saudade.

Ah! Dizem-me que em Vila Cova já toca a música de Natal na torre da igreja, quando soam as badaladas das horas. Gosto de a ouvir! No silêncio da noite ecoa-me na distância dos tempos.

E lá vou comer o velho bacalhau. Mas, que raio, o azeite já não me sabe ao mesmo!

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 13 Dezembro , 2012, 22:38

 

Elementos da GNR da Lousã e de Arganil estiveram esta manhã nas instalações do Centro de Dia, a fim de prestarem esclarecimentos à população mais idosa dos cuidados que devem ter, como segmento mais vulnerável da população, na prevenção a assaltos e roubos que, nos tempos atuais, em função da crise, estão a acontecer com mais incidência.

Após esta sessão, os elementos da GNR dirigiram-se a vinho onde, com a mesma intenção, contactaram idosos nas suas próprias casas.  

 

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 13 Dezembro , 2012, 21:51

 

 

Ficha técnica do jogo em que o Vilacovense defrontou, Domingo passado, o Sangianense, cujo resultado se saldou num empate a zero golos:

 

Constituição da equipa:

Guarda-Redes - Flávio Ferreira;

Defesas: Fábio (substituído aos 70 minutos por Nelson Amaral), António Cruz (capitão), Wilson

e Jorge Sousa (substituído aos 40 min. por Paulo Nunes);

Médios: Jorge Reis, Luís Costa, Moniz, Ricardo Santos (substituído aos 65 min. por João

Correia) e Tiago Fernandes;

Avançado: Nick

Suplentes não Utilizados: Adriano Silva, Kikas, Renato Tavares e Bruno Santos.

 

Treinador: Rui Mota

Treinador Adjunto: João Pedro

 

Delegado: José Santos

Massagista: Fernando Figueiredo

 

No próximo Domingo o Vilacovense recebe o Penalvense (equipa de Penalva de Alva) e vai defender o 1º lugar da classificação, lugar que ocupa com 1 ponto de vantagem sobre o Vasco da Gama de Candosa. Dos 5 jogos que efetuou o Vilacovense venceu 3 jogos e empatou 2, sendo a equipa com menos golos sofridos (2).

 

Fábio Leitão


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 12 Dezembro , 2012, 19:44

 

Por iniciativa da Câmara Municipal, no confortável e acolhedor Auditório do recentemente inaugurado “Edifício da Cerâmica de Arganil”, realizou-se ontem, dia 11, um encontro de idosos, integrado na comemoração do Ano Internacional do Idoso.

Os muitos utentes vindos de todas as IPSS(s) do Concelho, (mais de duzentos) assistiram a um espetáculo em que eles próprios foram também os protagonistas em palco.

Uma a uma, cada Instituição exibiu os seus dotes artísticos, em cantoria, alusões etnólogas, recitação de poesia, com os “nossos seniores” a demonstrarem grandes dotes artísticos, ensaiados que foram pelas Técnicas Superiores de Ação Social.

O grupo de “artistas” da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Vila Cova representou condignamente a sua Instituição e a sua própria freguesia, tendo cantado dois hinos dedicados a Vila Cova, que foram ensaiados pela Técnia Drª Andreia Tavares e acompanhados ao acordeão pela funcionária Elisabete. Para todos vão os nossos Parabéns. Uma referência à apresentação do espetáculo, a cargo das jornalistas do Rádio Clube de Arganil, Isabel Duarte e Lourdes Gonçalves. 

Presente, nesta tarde de convívio, o Presidente da Câmara, Engenheiro Ricardo Pereira Alves, que na sua curta alocução prometeu dar continuidade a este tipo de encontro, estando já assente que no próximo ano uma “gala”, conforme o seu próprio dizer, será patrocinada pela Câmara.

Presentes ainda, neste encontro, o Vereador, Dr. Luís Paulo e muitos dirigentes das várias IPSS(s) do Concelho.

Findo o espetáculo reconfortaram-se os estômagos, com iguarias levadas pelas várias Instituições.

 

Nuno Espinal

 

Nuno Espinal

 

 


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Dezembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
14
15

17

24
28

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds