publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 19 Dezembro , 2012, 19:55

Chamavam-lhe o Pingalim. O porquê da alcunha não o sei. Nem tão pouco lhe sei o nome, o verdadeiro. O que sei é que sempre que dele falavam era por Pingalim que o tratavam. E pronto! É assim que para esta historia fica: o Pingalim.

Lembro-me muito vagamente do Pingalim. Mas, ainda assim, recordo-lhe bem a figura, a figura grotesca, ampliada por uma gaguez que o caricaturava nas jucosas zombarias. E depois, para mais, aquela dislaxia, aquele falar tão burlesco. Cão era ão, casa era asa, coisa era oisa e por aí fora.

Partilhava a pobreza, a muita pobreza, com a Rosa, a “Ti” Rosa, companheira de tantos anos e de sempre.

Gostava, e bem, do seu copo, e naqueles tempos, homem que fosse, quem não gostava?

Pois um dia o nosso bom Pingalim, em cavaqueira de taberna, já um tanto entornado, tornou-se vulnerável à esparrela da chacota.

E já o tempo caminhava com umas boas rodadas de copos de três quando há um que lhe atira:

-“ Oh Pingalim, estás a ficar abrasado. Logo à noite com a Rosa aquilo é que vai ser!…”

E o Pingalim, copo ao alto, logo lhe responde:

-“Isso eria eu. Mas a mi ...a minha Rosa já não tem...a…a… alôr…”

 

Nuno Espinal


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Dezembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
14
15

17

24
28

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds