publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 30 Agosto , 2012, 12:07

Dizia o filósofo alemão Schopenhauer que “os desejos são ilimitados, as suas reivindicações inesgotáveis e cada desejo satisfeito dá origem a um novo. Não há satisfação no mundo que sacie tal ânsia, que estabeleça um objetivo derradeiro para as suas exigências e que preencha o poço sem fundo do seu coração.”

Não partilho este radicalismo tão sombrio e deprimente quanto o filósofo. Mas, também caio no enfado perante a saciedade de um desejo. Ponho-me assim ao alto e evito, quando posso, a saturação.

Eis-me em Coimbra. Depois retorno a Vila Cova. Entre os privilégios da civilização e os privilégios da natureza. Coimbra e Vila Cova, cidade e aldeia. E nesta alternância amo cada vez mais as duas.

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Agosto 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
17
18

21
22
24

26
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds