publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 21 Março , 2012, 21:42

 

Mais um fulgente dia de Sol, que bem poderia ser acolhido com louvores primaveris, não fosse a persistência da seca que desespera em queixumes os que à lavoura acorrem e dela ainda se socorrem.

Percorro, só, um velho caminho e o seco matagal que o margina alia-se ao estaladiço das passadas que estilhaçam inertes folhas caídas.

Do Alentejo sei que, aqui e ali, junta-se o povo em novenas e preces à vinda de chuva.

Não sou afeito a rezas, confesso. Mas, por impulso solidário, dou por mim, pervertendo as palavras de uma velha cantilena, olhos perdidos lá longe, muito longe, a pedir, sei lá a quem, que “faça chuva e sol não”.

 

Nuno Espinal


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Março 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

17

23



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds