publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 31 Outubro , 2011, 19:06

Em vida, quantos de nós não congemina o desejo (ténue que seja ou aparentemente adormecido no subconsciente) de ser recordado após a morte?

Mesmo que essa recordação não perdure senão nos anos imediatamente próximos à nossa morte, já que raros são os que da lei da morte se libertam, no magistral dizer de Camões.

Não quero flores, nem velas. Quero é que me recordem com saudade… – ouvi de um ancião.

Um folclore crescente contraria este desejo. Nestes dias, envolventes do 2 de Novembro, velas e mais velas, flores e mais flores. Comércio, materialismo contra dizente do significado originário da comemoração.

É certo que no mero gesto do apor de uma flor, ou de uma vela, há uma evocação do ente ou amigo que já partiram. Mas é um gesto que evoca a morte.

Então, antes evocar da morte a vida. Na memória com que os recordamos, de momentos, do que nos deixaram da vida.

Recordá-los, pois, para nós e com os outros.

 

Nuno Espinal


comentários recentes
Mais um homem bom que nos deixa. Há tempo que não ...
A perda de um amigo e a amigo da minha família, de...
Publiquei um comentário sobre o meu tio Zé, não ch...
Tio Zé Torda , descanse em paz e que DEUS o pon...
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Outubro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9

18
22

25
29



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds