publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 09 Agosto , 2011, 18:01

 

 

Ontem, em Coimbra, vi um filme que classifico de excecional. A “Árvore da Vida”, com realização de Terrence Malick, um filme que aborda uma heterogeneidade de assuntos, nomeadamente, a formação e imensidão do cosmos, o nascimento e a evolução da Terra, a origem e evolução da vida, o divino e o terreno, a espiritualidade e a materialidade, o sagrado e o profano, questões que correlaciona com a vivência de uma normal família nuclear americana dos anos 50, nos confrontos típicos de banais percursos da vida humana.

Sobre o filme, propriamente, mais não direi, até porque a sua análise crítica não é papel e vocação deste modesto espaço da blogosfera e, ademais, há quem o faça com doutos e superiores predicados, em sede própria.

Não me furto, porém, a referir uma questão tratada no filme e que me transportou à analogia com situações do nosso quotidiano, como cidadãos que as vivenciamos, quer como sujeitos ativos, quer como sujeitos passivos.

A questão do “poder” ou dos “poderes”.

No filme o poder de um pai austero, que o exerce com demasiada autoridade, demasiada exigência para com os filhos, subtilmente submergido por princípios, regras e objectivos que julga serem os mais adequados a um futuro feliz dos filhos.  

Por um lado, de um puritanismo, que até se revela na prática imbuído de grande cinismo, por outro, de um pragmatismo atido a máximas, verdadeiros guiões de práticas da vida.  Como exemplo e no seu processo paternal de educação, refere a um dos filhos a sua interpretação de “sucesso na vida” com esta frase: Para se atingir o sucesso há que se ser menos bom.

Eis um poder, o poder de um pai, no exercício da educação dos filhos, entre outros poderes, micro-poderes, poderes locais, poderes regionais. O poder do padre na sua diocese, o poder do responsável autárquico, o poder partidário, o poder institucional, o poder da relação patrão/trabalhador, entre outros e outros mais.

Quem de nós já não se revoltou contra a prepotência, quando a há, de qualquer um destes poderes? Mas, cuidado! Mea culpa, mea culpa!

Será que esta ânsia e exercício de “poder” é pecado só de outros?

 

Nuno Espinal


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 09 Agosto , 2011, 00:07

 

 

Dia 8 de Agosto, dia de anuversário da Dª. Maria Assunção Marques. Os nossos Parabéns pelos seus 85 anos.

 


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Agosto 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12

14
20

23



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds