publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 24 Março , 2011, 19:05

 

A morte de Artur Agostinho foi sentida em todo o país, em especial pela população mais veterana, admiradora e fã de um dos maiores comunicadores do país. Tive o grande prazer de ter convivido com Artur Agostinho, em três momentos ligados a uma entrevista que lhe fiz para a revista “Espaço Aberto”. O primeiro momento liga-se à apresentação que me fizeram a Artur Agostinho e em que combinámos o dia e hora da entrevista. De uma abertura repleta de simpatia, mostrou-se de uma disponibilidade e cooperação que desde logo me sensibilizou. Depois foi a entrevista. Por fim um jantar, em que esteve presente o próprio director à data da revista, que comigo surge na foto no já extinto restaurante “adivinha quem vem jantar”.

Aí passámos seguramente umas três horas de um convívio folgazão graças à jovialidade e humor de Artur Agostinho. Contou muitas histórias ligadas à sua vida profissional, a grande maioria cheias de uma graça reforçada pela sua tão famosa expressividade.

Recordo uma delas:

 

 No Terreiro do Paço, em Lisboa, uma grande manifestação a Salazar em plena guerra colonial. O regime não poupou “escudos” e esforços para trazer uma multidão a Lisboa, vinda dos mais recônditos lugarejos. Artur, em reportagem em directo para a RTP, ia entrevistando um ou outro, preparando o ambiente televisivo que antecederia a chegada de Salazar à tribuna para o triunfal discurso,

 

-Então, diga-me lá, está aqui em Lisboa com que intuito?

As respostas, como é óbvio, iam todas no mesmo sentido:

-“Vim afirmar a minha solidariedade a Salazar.

-“Estou aqui para me manifestar a favor da política do nosso Presidente do Conselho”

-“Sou dos que quer mostrar ao mundo o quanto queremos a Salazar”

-E a senhora, diga-me lá, vem de onde e está aqui para quê?

-Eu? Eu sou de uma terrinha lá de cima de Trás os Montes. O que é que vim cá fazer? Então vim bater palmas ao …Baltazar”.

 

Obrigado Artur. Como ele próprio gostava que dele dissessem, era mesmo um “gajo porreiro”. Muito “porreiro”.

 

Nuno Espinal


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds