publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 02 Dezembro , 2010, 00:30

De manhãzinha, campos e telhados surgem caiados de um branco que aos poucos se dilui, logo que são acariciados por amarelentos e anémicos raios de sol.

Ressurge o movimento, despontam gente e vozes.

Mas mal o sol se apresta ao esconderijo, cresce um pesado silêncio nas ruas e uma total apreensão de ausência. Nada de vivalma.

Longe estes tempos dos tempos em que as tabernas, mesmo em noites de friagem, se animavam aos goles de aguardente, que aquentavam corpos moídos de trabalho.

De uma dessas noites do passado, numa noite de Dezembro, na taberna da Dª Isabel, bem recordo umas broas doces de pinhão.

Eram broas de natal, assim diziam. Tão fantásticas quanto esses fantásticos natais de então.

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

17
18

25

27
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds