publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 02 Dezembro , 2010, 00:30

De manhãzinha, campos e telhados surgem caiados de um branco que aos poucos se dilui, logo que são acariciados por amarelentos e anémicos raios de sol.

Ressurge o movimento, despontam gente e vozes.

Mas mal o sol se apresta ao esconderijo, cresce um pesado silêncio nas ruas e uma total apreensão de ausência. Nada de vivalma.

Longe estes tempos dos tempos em que as tabernas, mesmo em noites de friagem, se animavam aos goles de aguardente, que aquentavam corpos moídos de trabalho.

De uma dessas noites do passado, numa noite de Dezembro, na taberna da Dª Isabel, bem recordo umas broas doces de pinhão.

Eram broas de natal, assim diziam. Tão fantásticas quanto esses fantásticos natais de então.

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Demasiado jovem para partir.Que descanse em paz.
Sentidos pêsames a toda a família. Muita força e c...
Boa tarde. Qual é o valor em ml de 2/5 de azeite?
Muito bem! Gostei. Contudo falta referir muitos pe...
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

17
18

25

27
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds