publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 21 Maio , 2010, 10:00

Não gosto de touradas e, porque não sou masoquista, não lhes sou consumidor. Ontem, num “zapping” pelas têvês portuguesas, verifiquei que um dos canais transmitia uma tourada. Quando assim é não hesito e pratico o “toca e foge”. Só que desta vez não fugi. Mantive o canal. E a razão é bem simples. Na faena, que percebi depois ser transmitida do Campo Pequeno, a pequena orquestra tocava um passe doble que me era familiar e do meu eterno álbum das recordações. O passe doble “Manuel dos Santos”. Tão velhinho, com mais de cinquenta anos, aprendi-o com a “Flor do Alva”. Cantarolei-o todo, aquilo ainda durou alguns minutos, emocionei-me mesmo. O toureiro deambulava algumas figuras da dita arte de que é mister e eu fechei os olhos. O passe doble nos ouvidos, no meu cantar e a memória a desfilar gente, muita gente, a filarmónica no coreto, alguns pares a bailar, a festa.

Depois a música parou. Ouço aplausos. E lá estão os músicos da Flor do Alva, de pé, a agradecer.   

 

Nuno Espinal


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Maio 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16

29



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds