publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 25 Fevereiro , 2010, 10:19

Estes dias de copiosos aguaceiros coagem-nos para o abrigo das casas. Ruas e caminhos desertos, a estrada, de uma ponta à outra, a ecoar raramente as passadas de alguém.

Deixo-me andar por andar, nem me dou que, aos poucos, me alongo em caminhada. Afasto-me do casario, passo atrás de passo, eis-me na Portela. Mais umas passadas, dali à Moenda um instante. Continuo, continuo, sem quase dar que continuo, o rio a meus pés. Os pensamentos acompanham-me, somam-se as imagens, inevitáveis as recordações.

De súbito um rebanho. Cães que me afagam, gado e pastor mais ao longe. As imagens são reais, o tempo é que é passado.

Ah, este bucolismo d’antigamente!…

 

Nuno Espinal

 


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Fevereiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

15

24
27



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds