publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 11 Junho , 2009, 07:36

A notícia, ainda que esperada, não deixa de provocar um sentimento de grande tristeza em todos aqueles que se habituaram a ter da Comarca de Arganil um companheiro habitual de leitura informativa que, com um cunho especialmente regionalista, cobria, há quase 110 anos, todo o concelho de Arganil.

Para além de informativa, A Comarca de Arganil sempre assumiu uma função de inegável atitude formativa e constituiu-se, ao longo dos anos, como um verdadeiro acervo e fonte documental onde praticamente está escrita uma parte substancial, senão total, da história das comunidades de todo o concelho de Arganil.

Por estas e outras razões escusadas de referir por desnecessárias, já que facilmente deduzidas, assumimos o compromisso pessoal e institucional, na nossa condição de Provedor da Santa Casa de Misericórdia de Vila Cova, de nos juntarmos a todos aqueles que pretendem ser um contributo pelo renascimento, que queremos breve, deste verdadeiro esteio da cultura regionalista que é a Comarca de Arganil.

 

Nuno Espinal       

 

EDITORIAL do último número publicado da Comarca de Arganil

 

A COMARCA suspende a sua publicação a partir do presente número, informação esta de tremenda responsabilidade visto que, ininterruptamente, se vinha publicando desde 1 de Janeiro de 1901.

Explicações encontram-se dadas num “Esclarecimento” da Gerência da Empresa, hoje também, publicado.

De facto, quem é honesto, dificilmente consegue vencer as dificuldades. Entrámos em processo de insolvência pelos motivos explicados e já conhecidos. Todavia não conseguimos reunir as condições necessárias que permitam manter em publicação o jornal. Aguardamos agora a decisão judicial que decorre daquele processo no Tribunal de Arganil, para depois se ver o que será possível fazer-se. Simultaneamente encerram também as instalações comerciais.

Os últimos tempos têm sido difíceis de controlar e os problemas agravar-se-iam se não fossem, de imediato, estancados.

Só com boas palavras, as quais agradecemos, não conseguimos vencer as “crises” que nos afectam. Desculpem-nos a sinceridade.

Desde a impossibilidade de recurso ao crédito, aos cortes das comunicações telefónicas, de fax, de Internet, tudo nos tem sido feito e para cúmulo nunca ninguém apareceu como negligente ou culpado. Também os CTT nos recusaram o envio de uma emissão do jornal, porque, unilateralmente e sem qualquer aviso prévio, declinaram o contrato existente. E não havia pagamentos em atraso!

Assim não é possível resistir. Infelizmente parece ser o País que temos...

Aos assinantes, que já pagaram a assinatura para além do semestre em curso, as nossas desculpas e a esperança de poder ainda vir a compensá-los.

Despedimo-nos até... esperamos que relativamente breve.

O DIRECTOR

 


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9



29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds