publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 06 Junho , 2009, 09:22

Poderão achar muitos leitores que o título deste apontamento (Amália e Severa por um lado e Joaquim Leitão e João Brandão por outro) concitará, na associação dos pares de nomes, pouca concordância ou até um certo ilogismo.

E de facto, se retirados do contexto deste apontamento, é de todo o acerto tal conclusão, em especial se destacarmos os termos Amália e João Brandão.

Amália e João Brandão? -  perguntar-se-á. Que raio é que têm a ver, ou em comum, um com o outro?

De facto nada. Apenas o facto de serem portugueses e beirões. Mas isso, sendo destino de milhões e milhões, acaba, pela banalidade, de ser em absoluto irrelevante.

Então qual a razão?

Ora, no texto abaixo estará a resposta. Vamos então por partes:

 

Aqui há uns anos tive o grande privilégio (um grande privilégio) de ter entrevistado Amália Rodrigues. Sobre esta entrevista já a referenciei neste “Portal” e os fãs de Amália, se interessados, têm à sua leitura acesso no espaço “Opiniões”.

O que me leva a trazê-la a este apontamento é tão só um dos momentos dela retirado e que traduz um sentimento de Amália, uma sua curiosa forma de sentir e dizer:

 

 «Pelo que me dá a perceber é muito dogmática nas suas próprias verdades…

 

-(Amália sorri) - Há uns vinte anos fiz uns versos que diziam: “Ai de mim que vou vivendo/Ai, este mundo de desespero/Ai, tudo o que não entendo/Ai, o que entendo e não quero.” Julgo que aqui digo tudo. Aquilo que eu não quero entender não vale a pena eu não entendo. Dizem que a Severa morreu de uma ingestão de borrachos. Para mim, morreu foi de amores. Mas que não, que morreu foi de indigestão. Não gosto! Para mim o bonito é ter morrido de amores…»

 

Passemos agora ao conto de Joaquim Leitão, no qual é destacado o temor de João Brandão perante a valentia, coragem e envergadura física de um vilacovense de nome João Antunes. Lê-se, em algumas passagens, do conto:

 

«De feito, João Antunes era parelho! Se não tinha exactamente tanto de largura como de altura, as pernas de caçador, o tronco, os braços, a própria máscara repassavam a força e a maleabilidade grega. Ágil como a luz, quanta vez ganhara a aposta de, marinhando pela cantaria da Misericórdia ir lá acima tocar a campa!»

 

«…andava João Antunes à caça, ouviu tropido. Atentou. Adiante do cavalo, umas centenas de metros, fugia espavoridamente um homem. Reconheceu: no cavaleiro João Brandão; no perseguido, um rapaz de Vila Cova – Manuel da Cruz. Num pulo de galgo, desceu, e, estribando-se na encosta, gritou:

-Tem-te Manel, que agora estou cá eu!

João Brandão dando pelo vozeamento desandou a galope.»

 

«-E se ele desse cabo do ti João?

-De mim…? De mim…?

-Às vezes… ele é tão mau!...

-A mim não mata ele! – trovejou João Antunes – Só se me apanhar a dormir, como os romanos ao Viriato. De frente, rachava-o eu primeiro. Nem se fazia preciso esta… - e batia na arma, a escumar fúria.»

 

Que há de verdade nesta ficção? Historiadores, e há-os da vida e obra de João Brandão, contestarão em absoluto o amedrontamento de João Brandão perante o nosso João Antunes. E quanto eu respeito a dedicação, mérito e trabalho dos que pelo estudo e rigor da história se entregam.

Mas aqui mais não quero ser do que um mero vilacovense. E parafraseando Amália também eu digo:

“Aquilo que eu não quero entender não vale a pena eu não entendo. O bonito é João Antunes ter atemorizado João Brandão.”

 

Nuno Espinal   

 

 


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9



29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds