publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 02 Junho , 2009, 02:49

Continuamos com o conto de Joaquim Leitão, “Para Quem Vier”, e dele publicaremos um excerto que realça a pessoa de João Antunes, homem de valentia, têmpera e coração grande. A sua fama, de homem destemido, perdurou no tempo, pelo arrojo com que sempre afrontou o bandoleiro das beiras, João Brandão.

A casa onde João Antunes morava é a que surge nas fotos, ao tempo exposta em xisto, tal como todas as outras que lhe eram vizinhas. A casa, hoje, é propriedade da Drª Filomena Fortes, tetraneta, segundo apurámos, de João Antunes.

 

 

Nuno Espinal

 

/…/

Na tarde desse mesmo dia em que azoara o milhafre, andava João Antunes à caça, ouviu tropido. Atentou. Adiante do cavalo, umas centenas de metros, fugia espavoridamente um homem. Reconheceu: no cavaleiro João Brandão; no perseguido um rapaz de Vila Cova – Manuel da Cruz. Num pulo de galgo desceu e, restribando-se na encosta, gritou:

-Tem-te Manel, que agora estou cá eu!

João Brandão, dando pelo vozeamento desandou a galope.

Manuel da Cruz atravessou de coração endividado.

-Com que é que se paga isto, ti João?

João Antunes tapou-lhe a boca:

-Não me venhas para cá sanfoninar aos ouvidos!

-Com’ó João Brandão lhe tem respeito! – tornou Manuel da Cruz – Parecia um Judas numa roda de fogo preso!...

-Respeito…hum!...Aquilo tira a lobo! Vinha sozinho…

Foram andando com os comentários. O anoitecer ia na companhia deles.

-O ti João vai-se chegando?

-Pois… Tenho lá o neto à espera para a bailata da deita: Não é capaz de adormecer sem eu bailar um bocado com ele!...

Treparam a congosta . O amesendado de Vila Cova cabeceava com sono. As paredes de xisto, ínvias e sem reboco, escorregavam pelo Outeiro, na pesada sonolência da infância. As buracas, na maioria desconhecendo o vidro, cerravam as pálpebras de castanho.

João Antunes e Manuel da Cruz embrenharam-se pelos travessos da vila e breve, os sapatos cardados, deixando de arranhar os godos que calçam a Rua Direita, dobraram para a Rua da Fonte. Mais duas moradas que se apanhavam num abraço e estavam em casa de ti João.

/…/

 

 

 


comentários recentes
Mais um homem bom que nos deixa. Há tempo que não ...
A perda de um amigo e a amigo da minha família, de...
Publiquei um comentário sobre o meu tio Zé, não ch...
Tio Zé Torda , descanse em paz e que DEUS o pon...
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9



29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds