publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 19 Maio , 2009, 02:13

 

Disse Philippe Ariès: “Aquilo que verdadeiramente é mórbido não é falar da morte, mas nada dizer acerca dela, como hoje sucede. Ninguém está tão neurótico como aquele que considera ser neurótico decidir-se a pensar sobre o seu próprio fim.”
“Esquecer-se da morte e dos mortos é prestar um péssimo serviço à vida e aos vivos.”
De facto, a morte é um tabu. Evitamos a sua abordagem, angustiamo-nos só com a sua mera ideia. Contudo, é-nos a todos fatal, é-nos, no destino, o nosso último tempo, o último tempo de cada um. Assim, nada adianta não a admitir e equacionar. A morte é a coisa mais segura e firme que a vida inventou até agora, disse alguém.
É nesta filosofia de vida que saudamos a existência em Vila Cova de “serviços fúnebres” criados recentemente pela iniciativa do Sr. José Raimundo. Trata-se da "Funerária do Alva".
E por aqui me fico. Por mais que racionalize a dissertação sobre a morte lá me estou a sentir tolhido na liberdade de a explanar. E então não é que lhe estou mesmo a fazer figas?!
 
Nuno Espinal

 

 


comentários recentes
Mais um homem bom que nos deixa. Há tempo que não ...
A perda de um amigo e a amigo da minha família, de...
Publiquei um comentário sobre o meu tio Zé, não ch...
Tio Zé Torda , descanse em paz e que DEUS o pon...
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13


28



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds