publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 26 Setembro , 2008, 23:59

 

Há dias, no Miradouro, podia-se ler que os habitantes do chamado “Lugar da Ponte” ou “Bairro dos Carrizes”, ainda que com os pés em área de jurisdição alheia, têm todos o coração de um só lado. Do lado da sua Vila Cova de Alva.
Pois é a eles que a “Flor do Alva” vai levar o seu perfume no próximo Domingo, percorrendo ruas daquele pequeno povoado e finalizando com um concerto que será pretexto de uma boa confraternização.  
Vamos todos até lá.
 
 
 
Notícia: Fábio Leitão

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 26 Setembro , 2008, 23:29

Diário As Beiras em 15/9

 

 

Diário As Beiras em 26/9

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 26 Setembro , 2008, 01:44

 

 

 

A Igreja do Convento, por razões que se conhecem, tem sido, nos últimos dias, motivo de conversas, do chamado falatório.
Curiosamente, ao longo da sua história, tem sido fonte de alguns conflitos, polémicas e diferendos, resultantes, principalmente, de manifestações e reivindicações sobre a posse de seus bens e espaços.
Acontece até que um desses diferendos acabou por contribuir para que um elemento novo fosse acrescentado ao seu próprio complexo arquitectónico: a escadaria que nos conduz do corpo da Igreja ao Coro. Mas vamos à história.
 
Inicialmente, e foi sempre assim no tempo dos frades, o único acesso ao Coro era feito por uma porta de serventia com o edifício conventual, ou seja a Igreja não tinha qualquer ligação directa ao Coro. Quando o edifício e a Igreja passaram a ter proprietários diferentes (a Igreja na posse da Santa Casa de Misericórdia e o edifício pertença de privados) gerou-se, cerca de 1883, entre estas partes, um conflito, resultante do não cumprimento de um acordo firmado. Com efeito, o proprietário, àquela data, do edifício do convento, Dr. Alexandre de Cupertino, entre outros desrespeitos de cláusulas de um acordo a que seu pai, Conselheiro José Cupertino, entretanto já falecido, tinha acedido, criou dificuldades ao livre-trânsito para o Coro a eclesiásticos, músicos e membros da Mesa da Santa Casa, contrariando o que estava estabelecido no Acordo.
A situação criada levou a que a Mesa da Misericórdia, para acabar de vez com o problema, resolvesse construir uma escadaria que permitisse o acesso directo entre Igreja e Coro. E assim foi feito. A escadaria lá está, escavada numa das largas paredes do templo.
 
Nuno Espinal
Foto: Silvino Lopes
 

comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

16
18

27



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds