publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 20 Setembro , 2008, 13:06

 

Na foto, da esquerda para a direita, Prazeres Mendes, Ester Santos, António Santos, Jorge Valentim Santos, Carlos Mendes Santos, Albano Mendes Santos, Emília Ribeiro, Encarnação Santos, Augusta Alves Santos e Emília Jesus Santos.
 
 
 
Na sociedade do sec. XXI podemos identificar como predominante, nas relações familiares, o que os sociólogos e antropólogos designam por “família nuclear” ou seja, dois adultos vivendo juntos num mesmo agregado (pai e mãe) com os seus filhos biológicos ou adoptados. Tempos houve, contudo, em que a família nuclear estava integrada, económica e espacialmente, em redes de parentesco mais amplas, formando aquilo que se designa de “família extensa”,
 
Em Vila Cova é fácil constatar o fenómeno da “família nuclear” como predominante e quase exclusivo. O slogan, tão badalado nos anos “70” e “80”, de que “quem casa quer casa”, era já uma confirmação do fenómeno generalizado em toda a sociedade portuguesa, de resto típico do chamado mundo ocidental.
 
O fenómeno trouxe, naturalmente, consequências ao nível das relações entre a família no seu padrão mais extenso, desaparecendo ou afrouxando os laços afectivos e de proximidade que antes se verificavam entre os seus membros.
 
A foto mais antiga que me chegou às mãos fez-me reflectir sobre estes aspectos. O que antes era muito comum, um piquenique da família com laços de parentesco mais alargados, hoje praticamente não existe.
 
Eu próprio vivi estes encontros, fossem piqueniques ou lanches à volta do petiscar de um bom requeijão, de uma boa chouriça, do apetitoso bucho, com um bom copo de vinho, ou um chá de ervas aromáticas caseiras.
 
E que dizer dos serões à volta de uma mesa, na jogatina do loto, com pais, filhos, avós, irmãos, tios, sobrinhos, primos, cunhados, compadres, e até amigos, todos envolvidos?
 
Há dias, talvez para matar saudades ou para as avivar, estive num lanche, desses à moda antiga, oferecido na Casa do Convento, pela amabilidade e amizade da Srª Dª Natália de Figueiredo. Fiz de fotógrafo e fixei o momento. Lá estive com uns primos meus. Antes, há uns quarenta e mais anos, na família, éramos às dezenas, com casa polarizadas em S. Sebastião e no Adro, mas com encontros permanentes, nas visitas que se faziam, nos lanches que eram pretexto de fraternais convívios, nos “lotos” nocturnos jogados a tostão. Hoje, em Vila Cova, restamos nós. E vezes há, em períodos do ano, em que dos que restam dessa tão enorme família nem um se encontra.
Tudo, agora, tão disperso e distante…  
 
Nuno Espinal
 
 
 
 

 


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

16
18

27



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds