publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 10 Julho , 2008, 00:41

 

Um livro foi o pretexto. Ou melhor, a leitura de um conto. E foi assim que Palmira Barreiras agitou memórias, fez reviver recordações. O conto não era integralmente ficção. Escrito por Mário Braga, visita do Pinheiral em tempos que já são passado, “Penélope” é uma figura que tem na “Eugénia de Avô” o modelo, a inspiração.
Palmira Barreiras leu a história. E a história povoou a sala de pretéritas imagens, anos cinquenta, lá estava a Eugénia, andrajosa, invulgar, a tolinha, como se dizia.
Houve outras histórias que se atravessaram. E houve emoção, saudades, lágrimas de saudade.
Uma tarde diferente no Centro de Dia. Uma tarde a repetir.
Obrigado Palmira.
 
 
Nuno Espinal 
 

 


comentários recentes
Caro Sr. Avelar: obrigado pelo seu comentário. Apr...
As nossas condolências para a família toda.Frenk e...
" Ser Poeta ė ser mais alto...(Florbela Espanca)Qu...
Caro Nuno: Gostei muito. Aliás não esperava outra ...
Demasiado jovem para partir.Que descanse em paz.
Sentidos pêsames a toda a família. Muita força e c...
Boa tarde. Qual é o valor em ml de 2/5 de azeite?
Muito bem! Gostei. Contudo falta referir muitos pe...
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17

24

28


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds