publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 15 Maio , 2008, 01:11

 

É já no dia 18 que o Vilacovense se desloca a Alqueidão para disputar a meia final da Taça do Inatel. Independente do resultado que venha a ocorrer, é um facto que a época para o G. D. Vilacovense é já um êxito e todo o mérito dos resultados conseguidos deve ser distribuído por jogadores, equipa técnica e dirigentes. E é a unidade de todos estes protagonistas que tem constituído a chave mestra para o bom desempenho do Vilacovense.
Desempenho este que tem agregado em torno dos jogadores muitos adeptos não só de Vila Cova como de outras localidades, os quais nunca regatearam o apoio ao seu “onze” mesmo em jogos disputados fora de Vila Cova. E foi esse mesmo apoio que se veio a verificar no encontro disputado em Mortágua contra o Lavandeiras, no último Domingo, havendo até a registar a presença de cerca de 50 adeptos que se deslocaram àquela vila de autocarro alugado. Um facto inédito na história da equipa e que diz bem do carinho e apoio que o onze concita.
Sobre este jogo nada mais há a registar senão a conformação com o resultado e a congratulação pelo desportivismo que imperou nos noventa minutos dentro das quatro linhas.
O Vilacovense perdeu em especial devido a uma quebra física sentida no final do segundo tempo, período aproveitado pelo Lavandeiras para um “pressing” de que resultou com o golo que lhes deu a vitória
A lamentar a lesão do nosso jogador Marco Paulo que foi mesmo transportado para o Hospital da Universidade de Coimbra, ainda que depois de observado lhe tenha sido diagnosticada uma entorse. Desejamos-lhe rápidas melhoras.
 
E para que fique para a história, aqui fica o registo de todos os nomes dos que compuseram a equipa:
 
Jogadores:
Paulo (guarda-redes);
kikas, Brito, Tó Cruz, Fábio, (defesas),
Hugo, Paulo, Marco Paulo ( Substituido por lesão aos 35 min por Fernando Nunes que foi substituido aos 84 min por Carlos Gomes), Paulito(cap.) (médios),
Gonçalo Lobo e Marco António (atacantes)
Suplentes: 
Fernando Nunes e Carlos Gomes
Treinador:
Carlos Gomes
Directores:
 José Pereira Nobre, Carlos Antunes, Luís Manuel e António Leal
 
 Agora há que atacar o próximo jogo em Alqueidão. Força rapazes.
 
 
 
Nuno Espinal/Fábio Leitão

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 15 Maio , 2008, 00:10

 

Há algum tempo vi, no “Miradouro”, uma fotografia do forno que existia em Vila Cova.
Retratava o forno “comunal” da Senhora Áurea – modesta casinha de uma porta e uma janela. No primeiro piso, o forno, no segundo piso, a casa de habitação.
Conservo na retina a sua simpática figura, ao postigo da casa, de alvo rosto e sorriso doce e aberto.
Eram dias felizes aqueles em que o forno cozia. Felizes, sim, porque o pão era a sustância – havia que o saber governar para toda a semana.
Foi o pão que nos ensinou a arte da agricultura. Segundo a Bíblia, quando Abraão regressou a Canaã, o sacerdote-rei de Jerusalém veio ao seu encontro e ofereceu-lhe pão e vinho, em sinal de hospitalidade.
Desde aí o pão passou a ser a coisa mais oferecida do mundo.
Apontei na minha memória os dias em que o forno de Vila Cova funcionava. Bem cedo, de madrugada, lá andava a forneira de rua em rua, de beco em beco, a alertar as mulheres de que eram horas de começar a amassar o pão em grandes gamelas onde ficava a levedar até à hora de ir para o forno.
Nessa noite não se dormia. Eu também não, levada pela minha curiosidade de tudo observar e também porque eram dias de guloseima. Eram corridas e corridas para o forno da “ti” Áurea.
Ainda hoje sinto o cheiro e o gosto da broa acabada de cozer em forno de lenha e também o de umas maçãzitas pequenas, assadas em tabuleiros de folha, sem açúcares nem vinhos. Um verdadeiro manjar dos deuses! Ainda quentes, eram devoradas com avidez. Foi o melhor laxante que conheci até hoje.
Eu gostaria de voltar à minha meninice só para saborear essa broa morna com um punhado de azeitonas, as sopas de café e as tais maçãzitas assadas.
É que não me conformo ter de comer o pão de plástico congelado que me impingem todos os dias.
 
Maio/08
 

 

 


comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Maio 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds